terça-feira, 31 de maio de 2016

Belo Horizonte recebe Cantu Day 2016

Belo Horizonte recebe Cantu Day 2016

Entre novidades da Itália e Estados Unidos, a Cantu apresenta também a cerveja tailandesa Singha

A Cantu Importadora, um dos mais inovadores players de vinhos do Brasil, traz a Belo Horizonte o Cantu Day 2016, roadshow que se tornou um dos principais eventos da indústria vitivinícola no país. Além das edições de Recife, São Paulo e Rio de Janeiro, que já aconteceram, ainda há um evento  programado em Curitiba.

Essas capitais foram escolhidas pela importadora por terem público consumidor compatível aos produtos que a empresa está promovendo este ano: lançamentos da Itália e dos Estados Unidos, além da chegada ao Brasil da cerveja tailandesa Singha, patrocinadora da Ferrari na Fórmula 1. Uma outra novidade é a cerveja Insana, produzida artesanalmente no interior do Paraná. Entre as vinícolas representadas pela Cantu que terão seus rótulos no evento estão a Ventisquero (Chile), Poças e Alexandre Relvas (Portugal), Domínio Del Plata e Susana Balbo (Argentina), H.Stagnari (Uruguai), Lyngrove e Graham Beck (África do Sul), Yellow Tail e John Duval (Austrália), Louis Bernard e Nuiton Beaunoy (França), além de Folonari, Montresor e Rivetto (Itália).

No evento, a Cantu apresentará os vinhos do seu portfólio, com produtos de onze países, trinta regiões vitícolas e mais de cento e cinquenta rótulos diferentes. Será uma verdadeira viagem por terroirs, uvas e cultura de cada país.

Segundo Tiago Dal Pizzol, diretor da Cantu Importadora, o Cantu Day faz parte da estratégia de crescimento da importadora, que teve uma evolução  de 33% em plena crise no ano passado, 30% a mais que o próprio mercado de  vinhos. “Estamos tendo um ótimo crescimento nos  últimos anos devido a uma aposta muito boa em produtos de alta qualidade. Por isso, já estamos entre as 10 maiores importadoras do Brasil e temos convicção que estaremos entre as cinco nos próximos anos. Só neste ano apostamos em um crescimento de mais de 15%”.

O Cantu Day Belo Horizonte acontece no dia 7 de junho (terça-feira), às 17h, no Hotel Mercure BH Lourdes (Av. do Contorno, 7255 - Centro de Eventos Planetarium). O evento é apenas para convidados.

Equipes de imprensa interessadas em fazer a cobertura do evento podem solicitar o credenciamento por meio do e- mail isabelalopes.jornalista@gmail.com
  
Cantu Importadora

Empresa do grupo Cantu, a Cantu Importadora iniciou suas operações há mais de 10 anos trazendo ao Brasil os vinhos chilenos da Viña Ventisquero. Hoje, figura entre as maiores importadoras de vinho do país e conta com um amplo portfólio, com mais de 350 rótulos provenientes da África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Brasil, Chile, Espanha, França, Itália, Portugal e Uruguai. Para mais informações acesse o site www.cantuimportadora.com.br.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

FEIRA DE VINHOS SUPERNOSSO


VINHOS DE OVOS

“ VINHOS DE OVOS ” – Os ovos estão presentes na produção de vinhos desde que criaram-se os métodos de clarificação usando a albumina. Entretanto, passamos a ver durante as visitas a algumas vinícolas ovos de concreto, usados para fermentar vinhos. De início eram testes e ovos únicos, mas passados poucos anos, há vinícolas investindo em baterias de ovos de concreto.
O primeiro tanque no formato de ovo foi encomendado em 2001 por Michel Chapoutier, na sequência de discussões e design entre Chapoutier e fabricante francês Marc Nomblot, que já fazia cubas de concreto para vinho desde 1922. A ligação histórica com as bem torneadas ânforas romanas não foi coincidência no projeto. Os ovos de concreto são feitos sem o uso de aditivos químicos, de acordo com Nomblot, a partir de areia lavada proveniente do Rio Loire, cascalho, água não clorada, e cimento. Não há ferro adicionado durante o fabrico dos ovos. Uma vez que o concreto deve ser sem rugas ou fissuras, deve ser tratado com soluções de ácido tartárico antes da utilização, e testado com uma solução adicional para garantir que não haja reação durante a vinificação. .
Desde 2001, Nomblot já vendeu cerca de 800 cubas, que são geralmente com capacidade de 6HL a 16hl.

A grande pergunta por trás do método é entender o que isto nos proporciona em termos de qualidade para a bebida de Baco ? Concreto? Você pode perguntar. O que pode fazer o concreto pelo vinho? Bem, como se vê, o concreto é uma alternativa fantástica para o carvalho ou o aço inoxidável na vinificação. Sem o impacto de possível excesso de carvalho em um vinho vinificado nas barricas, o concreto permite que o vinho mantenha em alto nível suas características frutadas e as características inerentes das uvas, tornando-se um método de fermentação especialmente útil para a demonstração do terroir dos vinhos de vinhedos específicos ou “singles vineyards” .
Os ovos de concreto são uma interessante mistura de técnicas de vinificação antiga e ultra-modernos, desde que os primeiros vinhos foram fermentados em jarros de cerâmica, chamados de ânforas. A forma de ovo é uma modificação mais recente, que permite que os vinhos dentro do recipiente tenham uma corrente de convecção natural por conta do dióxido de carbono liberado durante a fermentação, que ajuda a agitar naturalmente o vinho e mistura seus sedimentos ou borras.
Há ainda outras vantagens, como a regularidade de temperatura, uma vez que o concreto é meio mais inerte em relação a variações de temperatura no ambiente, o que permite que a fermentação ocorra sem picos. Além disto, as análises técnicas tem comprovado a cinética de fermentação é menos redutora do que o aço inoxidável, mas estas comparações ainda são prematuras.
Variedades aromáticas funcionam especialmente bem com este método de fermentação, porque o concreto aumenta os aromas florais e até mesmo aumentam as características minerais nos vinhos. A elegante complexidade de vinhos fermentados em ovos de concreto levou produtos a ganharem elogios de degustação em painéis comparativos com mesmo vinhos feitos por métodos tradicionais, com uvas vindas dos mesmos vinhedos e terroirs.
Desta forma, vinhos que precisam ter um paladar rico, e onde a fruta seja a estrela, ganham dimensão quando vinificados em ovos de concreto, onde não haverá sabores de carvalho ou de outros aromas, mas ainda quando se contar com os benefícios do envelhecimento sobre as borras.
O envelhecimento de vinho sobre a borra, ou quando fica em contato prolongado com as leveduras e os sedimentos assentam no fundo do ovo de concreto durante a fermentação, transmite uma cremosidade e complexidade que não pode ser encontrada em aço inoxidável.
Para tintos, a maturação é até agora o principal uso. Quase inevitavelmente Alvaro Espinoza foi o primeiro enólogo na América do Sul a utilizar ovos de concreto em 2009. Ele tem duas cubas 6HL, dizendo que ele estava experimentando com os mais pequenos, porque é muito caro para movê-los. Ele está trabalhando com Carmenere, dizendo: "Eu queria envelhecer o vinho sobre as borras após a malolática. As borras estão sempre em movimento, como numa battonage contínua, por causa da forma do ovo.
Em algumas degustações comparativas feitas em vinícolas o vinho por envelhecer melhor num ovo do que num barril. Ele mostra muito bem a evolução com uma grande quantidade de aromas de frutos, sem carvalho. Mas obtêm-se também um desenvolvimento muito bom boca, redondo e macio. Comparado com aço inoxidável, o vinho é evoluído em termos de estrutura de taninos, tem seu volume aumentado em boca, paladar e suavidade.
O curioso é que um dos fatores que levou ao uso de ovos de concreto, foi a escassez de barricas de carvalho para a fermentação de vinhos, uma vez que o consumo nas destilarias tem sido crescente e concorrente com a utilização para a produção de vinhos. Para compensar a escassez e explorar alternativas dos processos de vinificação que possam acrescentar frescor, corpo e aroma ao vinho, vários produtores de vinho estão agora usando ovos de concreto para a fermentação do vinho e obtendo excelentes resultados.

O concreto já vinha sendo usado na Europa por um tempo muito longo, mas só temos visto um aumento na sua popularidade de forma geral durante a última década. Espalharam-se pelo Novo Mundo, sendo comum vê-los pelas vinícolas da Califórnia, do Chile, e da Argentina.

Entre uma das qualidades mais desejadas do concreto será preciso destacar a sua “respirabilidade”. O vinho precisa de oxigênio para fermentar e o concreto é poroso permitindo a micro-oxigenação algo que não é possível em um tanque de inox (poucos sabem que a porosidade do concreto é pequena, mas mensurável).

Além disso, um vinho fermentado em concreto não está sujeito aos sabores adquiridos que são inerentes ao carvalho e ele só dá uma mineralidade suave que é percebida como uma qualidade positiva em vinhos mais leves. Vinho fermentado em concreto tem um paladar cheio, cor mais rica e maior pureza do sabor da fruta tornando-se um recipiente perfeito para a vinificação dos mais delicados vinhos brancos e rosés.
Entretanto, se há bônus no seu uso, também há ônus, uma vez que nenhum material é perfeito. As desvantagens incluem enorme e pesada massa de concreto (empilhadeiras especiais são necessários para mover tanques de concreto, que vêm em formatos de cubo, cilindro e ovos), protocolos de limpeza difíceis (com uso de muitas técnicas que limpam os recipientes após o uso, mas podem causar danos ao concreto, em especial pelo uso de ácidos extremamente pesados) e o potencial para pigmentar um vinho branco se o ovo de concreto tiver sido usado para produzir vinhos tintos (o que mais uma vez comprova a porosidade do concreto).

O custo de um ovo de concreto no final das contas é comparável ao de uma barrica de carvalho, mas não há dúvida que é muito mais fácil de ser produzido em qualquer lugar do mundo, evitando grandes custos de transporte, apesar de que se tenha que usar empulhadeiras para movimentá-los.

TENUTA CAPOFARO MALVASIA 2008

● Vinho da Semana 22/2016 - ● TENUTA CAPOFARO MALVASIA 2008 – TASCA D´ALMERITA – IGT SALINA SICILIA - ITÁLIA – A Tasca D’Almerita é um conceituado produtor da Sicília e elabora esse branco doce exclusivamente a partir de uvas Malvasia que passam pelo processo de secagem, advindas de um vinhedo de apenas 5 hectares, localizados na pequena ilha de Salina. A propriedade na ilha de Salina é muito antiga e passou recentemente por uma reforma, resultando num resort moderno e confortável, de alto luxo. A ilha de natureza vulcânica está exposta ao vento vindo do norte
● Notas de Degustação: Cor amarelo com reflexos dourados e aromas de frutas cítricas e brancas maduras, bem como notas florais, minerais e herbáceas, além de toques de baunilha e mel. Em boca, é fresco, frutado, concentrado, untuoso, tem ótima acidez e final persistente. O paladar é intensamente doce, como um caramelo de damascos, passas, manga, com uma especiaria picante de pimenta. Limpo, correto, sem arestas e nada enjoativo, com uma excelente acidez.
● Estimativa de Guarda: já está excelente neste momento.
Notas de Harmonização: Queijos azuis e sobremesas à base de frutas devem acompanhá-lo muito bem. Sirva entre 7 a 8°C.

Onde comprar: Em BH: MISTRAL - Rua Cláudio Manoel, 723 - Savassi - BH. Tel.: (31) 3115-2100

RAMIRANA CABERNET SAUVIGNON RESERVA 2012

● Vinho da Semana 22/2016 - ● RAMIRANA CABERNET SAUVIGNON RESERVA 2012 – VALE DO MAIPO - CHILE –  A Vinícola Ramirana nasceu no Chile, ligada às tradições hípicas. Nos vales onde cada vinhedo é cuidadosamente escolhido para misturas inovadoras, criando aromas e sabores únicos excepcionais, equilibrados, elegantes e frescos vinhos, onde a fruta assume a alma do cavalo que você pode saborear em cada garrafa.
O enólogo Alejandro Galáz, que assina os vinhos da Ramirana, apresenta a seguinte equação que define sua produção: Acidez: mais elevada I PH: mais baixo I Álcool: mais baixo I Fruta: mais elevada I Carvalho: mais baixo I Vocação gastronômica: mais elevada I Inovação: mais elevada. A Ramirana é o lado boutique da gigante chilena Ventisquero. Enquanto esta elabora cerca de 1,3 milhões de garrafas ao ano, a pequena filial ajuda com apenas 3% desse total. São vinhos de pequenas produções e baixíssimos rendimentos que, segundo a definição de Alejandro, requerem "mais horas de enólogo por litro de vinho". As uvas são provenientes de 2 vales chilenos: as brancas se originam de Lolol, enquanto as tintas são plantadas no Valle de Maipo, mas bem no limite, pertinho da costa.
Novas fronteiras: os vinhedos plantados em Huasco, em pleno deserto de Atacama, cerca de 200km acima do limite norte hoje conhecido, que é o Valle del Elqui. Localizado a 20km da costa, em uma área que já foi fundo do mar na pré-história, com sedimentos calcáreos e com o sal cobrindo de branco o solo, o enólogo garante que seu vinho terá um caráter mineral bastante peculiar! O vinho é um Sauvignon Blanc com a minúscula produção de 2.000 garrafas. Dessas, apenas 200 chegarão ao Brasil.
● Notas de Degustação: Cor rubi escuro, com aromas de frutas escuras maduras como amoras, cerejas e geléia de cassis, entremeados com as mesmas frutas frescas. Na evolução em taça aparece um toque de compota, caramelo e caixa de charuto. No paladar o vinho é equilibrado, com taninos macios, notas de especiarias, um toque sutil de madeira na degustação. Notas tostadas da barrica estão bem integradas com os aromas de fruta escura (cereja, ameixa), criando um vinho gostoso e fácil de beber. 80% deste vinho estagia por 10 meses em barricas de carvalho francês.O final é bastante agradável com boa persistência. Excelente exemplo de custo e benefício.
● Estimativa de Guarda: mais 3 anos fácil, mas já está excelente neste momento. Pode ser indicado como vinho de gastronomia para acompanhar pratos de carnes grelhadas, ou para uma degustação com queijos cremosos.
Notas de Harmonização: um vinho versátil, fácil de harmonizar com carnes grelhadas, salsicharia e queijos de massa mole. Vai bem com carnes, queijos e massas com molhos cremosos. Sirva entre 16 a 18°C.

Onde comprar: Em BH a CANTU é representada por Ana Paula Diniz – Supervisora da Cantu Importadora I Tel.: (31) 98876-0694.

BERINGER WHITE ZINFANDEL 2013

● Vinho da Semana 222016 - ● BERINGER WHITE ZINFANDEL 2013 – CALIFÓRNIA – ESTADOS UNIDOS – Em 1876, os irmãos Jacob e Frederico Beringer criaram a Beringer Vineyards em Napa Valley, Califórnia - naquele tempo uma desconhecida região. Os irmãos rapidamente fizeram fama mundial por produzir vinhos de classe e contribuírem para inserir Napa Valley no roteiro das novas regiões vitivinícolas em crescimento. Desde então, a Beringer construiu um legado na elaboração de vinhos renomados e um notável patrimônio, enfatizando a singularidade do local.
Elaboração – A uva Zinfandel tem dificuldade de maturar por igual, seja na videira ou no cacho, sendo comum que os produtores prefiram portanto vinificá-las em forma de vinho ro´se, curiosamente chamado de “White Zinfandel”. Não passa por madeira. Teor alcoócolico de 8%.
● Notas de Degustação: Cor rosé clara, com aromas de frutas vermelhas (cerejas, framboesas e morangos), combinadas suavemente. Na boca, apresenta taninos macios, corpo médio e boa persistência e delicioso final suave. Ótimo frescor, num vinho com fim de boca relativamente doce. Muito agradável para bebericar ou acompanhar pratos leves.
● Estimativa de Guarda: não vai ganhar nada na guarda. Beba-o de vez, ou no máximo por um ano.
Notas de Harmonização: para acompanhar queijos suaves, canapés, saladas de frutas. Servir entre 6 e 8 °C.

Onde comprar: Importado pela World Wine - Em BH – NOBILE ALIMENTOS E BEBIDAS – Endereço: Rua Maria José Assunção, 442 - Belo Horizonte - Minas Gerais -: contato@nobilebh.com.br . Televendas: (31) 3293-3423 com Duílio.

domingo, 29 de maio de 2016

07/06/2016 – CANTU DAY BH.

● 07/06/2016 – CANTU DAY BH. Das 17 ás 21:00hs - Não perca a oportunidade de passar um dia com a CANTU IMPORTADORA, numa grande oportunidade de imersão no mundo do vinho por meio do portfólio da CANTU IMPORTADORA, onde serão apresentados 11 países, 30 regiões vitícolas e mais de 150 rótulos. Presença confirmada de vários produtores, proporcionando uma verdadeira viagem pelos terroirs, uvas e cultura de cada país. Venha conhecer novos lançamentos e fortalecer nossa parceria. É necessário confirmar sua presença pelos contatos: (11)2144-4455 I ou atendimento.sp@cantuimportadora.com.br OS CONVITES LIMITADOS. Local do Evento em BH: HOTEL MERCURE BH LOURDES – Av. do Contorno, 7255 – Centro de Eventos Planetarium (Anexo ao Hotel Merceure). Um evento imperdível.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

VINHOS KOSHER PARA A INDEPENDÊNCIA DE ISRAEL


Vinhos kosher para a independência de Israel

O vinho está enraizado nas tradições judaicas e a Inovini importadora indica a vinícola Golan Heights para essa importante celebração!

No mês de maio é celebrada a Independência de Israel, em comemoração à declaração assinada em 14 de maio de 1948, no salão do antigo Museu Nacional de Tel Aviv. Desde então, várias tradições desenvolveram-se para celebrar a importante conquista do país. Pouco conhecido no Brasil, o vinho de Israel é um dos mais antigos do mundo, e a Golan Heights, representada no Brasil pela importadora Inovini, é uma das mais importantes vinícolas israelenses. Com produção exclusiva de vinhos kosher - que significa “adequado”, “apto”, ou “próprio” para o consumo em hebraico -, os vinhos da Golan Heights são produzidos respeitando regras determinadas pelo Kashrut, o conjunto das leis judaicas relativas à alimentação.

Ou seja, só podem ser produzidos a partir de uvas de vinhedos que tenham, no mínimo, quatro anos de idade; o vinhedo, se estiver localizado em terras bíblicas, deve deixar de produzir uma vez a cada sete anos; nas terras dos vinhedos nenhum outro tipo de planta deve ser cultivada; todo o equipamento e insumos utilizados na elaboração do vinho deve ser igualmente Kosher; e o vinho só pode ser manuseado por judeus ortodoxos, para evitar sua possível contaminação ao ser manipulado por pessoas desprovidas de fé. Junto a isso, os vinhos da Golan representam o que de melhor as uvas da Galiléia produzem.

A Golan Heights foi a primeira vinícola israelense a ter um vinho relacionado na lista TOP 100 da Wine Spectator, o Yarden Cabernet Sauvignon 2004. A Golan Heights não apenas elevou o padrão de qualidade dos vinhos israelenses, mas também proporcionou a Israel competir no cenário internacional dos vinhos de qualidade. A seguir, conheça alguns dos vinhos presentes no mercado brasileiro:

Mount Hermon Red
Bastante versátil, é delicioso com carnes vermelhas grelhadas ou assadas, pizzas e massas com molhos escuros.
Sugestão de valor: R$ 107,00
Mount Hermon White
Intenso e puro, combina com saladas e pratos delicados à base de peixes e frutos do mar, como ceviche, sushis, sashimis; peito de frango grelhado, queijos de massa mole...
Sugestão de valor: R$ 107,00

Yarden Chardonnay
Em razão da sua riqueza de aromas, sabores e textura, é ideal para acompanhar peixes e frutos do mar saborosos, como salmão, camarão, lagosta ou aves de carne clara, como frango e peru com molhos ricos e saborosos. Queijos de massa mole também são excelente opção.
Sugestão de valor: R$ 149,00

Yarden Pinot Noir
Como todo bom Pinot Noir, é muito versátil e pode acompanhar aves de carne escura, carnes vermelhas grelhadas, receitas com carne de porco e, se peixe for a opção, um salmão grelhado.
Sugestão de valor: R$ 210,00

Yarden Syrah
Encorpado, combina com pratos saborosos à base de carnes vermelhas grelhadas e assadas com molhos ricos em aromas e sabores, como cordeiro, costela bovina, rabada cozida em vinho tinto...
Sugestão de valor: R$ 216,00
Yarden Cabernet Sauvignon
Potente, combina com pratos saborosos à base de carnes vermelhas grelhadas e assadas com molhos ricos em aromas e sabores, como cordeiro e costela bovina...
Sugestão de valor: R$ 239,00

Yarden Muscat
Puro e potente, combina com doces à base de frutas cítricas e cremes, como torta de maçã, de limão ou um clássico crêpe suzette. Queijos potentes, de massa mole e com fungo também são excelente opção.
Sugestão de valor: R$ 114,00


Sobre a INOVINI

A Aurora, tradicional importadora presente no mercado brasileiro desde 1946, lançou em 2009 a marca INOVINI, divisão dedicada exclusivamente ao mercado de vinhos finos. A empresa que já atuava na importação e distribuição desse segmento optou por criar uma área específica para que o segmento ganhasse maior foco dentro da companhia. Com isto, agregou novas marcas ao seu portfólio e trouxe um time de profissionais com sólida experiência de mercado. Vendas: Tel.: (11) 3623-2280

Site: www.inovini.com.br / Facebook: https://www.facebook.com/inovini.importadora?fref=ts

● 16.JUN.2016 – 5ª-Feira – A PARTIR DAS 14:30hs – GRANDE EVENTO DIVINHO EM BH

16.JUN.2016 – 5ª-Feira – A PARTIR DAS 14:30hs – GRANDE EVENTO DIVINHO – Um Grande Evento no Ouro Minas com o Melhor Enólogo do Mundo - o Espanhol Raúl Pérez e Diego Arrebola Bicampeão Sommelier Brasileiro. Um evento imperdível e único em Belo Horizonte. Veja a Programação:
♦ 15:30 - 17:30Hs:   Diego Arrebola  Seminário de Serviço de Vinhos e Degustação na profissão Sommelier - Aula Magna de Serviço de Vinhos, Degustação prática de 5 Vinhos comentados, Harmonização, águas, destilados, café e charutos (Sommelier Bicampeão Brasileiro ASI)

♦ 19:00 - 21:30 hs:  Raúl Pérez  apresenta 12 Terroirs do Mundo com Grandes Vinhos – Espanha I Portugal I França I Itália I Austrália I Argentina I Chile e Brasil. Raúl Perez foi eleito como o melhor enólogo do mundo de 2015 pela 'Le Grand Tasting Shanghai - China', e em 2014 pela revista alemã 'Der Feinschmecker', sendo produtor de alguns dos melhores rótulos espanhois. ♦ Local do Evento: Ouro Minas Hotel – Av. Cristiano Machado, 4001 - Ipiranga, Belo Horizonte – MG I Telefone:(31) 3429-4000. Informações e Inscriçoes: Inimá Wine Center: (31)98447-7639 I E-mail: inima.souza@gmail.com

CURSO DE INFORMAÇÃO BÁSICA DE VINHOS

● 22 e 29.JUN.2016 – 4ª.feiras – 20:00 hs – BH / CURSO DE INFORMAÇÃO BÁSICA DE VINHOS - Uma verdadeira viagem enogastronômica e histórica, conduzida pelos aromas e sabores do vinho, onde o roteiro tem início e não tem ponto para terminar!. Descomplicando o tema, o curso desenvolve os sentidos para a degustação com mais propriedade das características do vinho. Duas aulas sobre a história do vinho, os principais países produtores e as uvas mais emblemáticas. Aprenda a degustar corretamente o vinho, descrevê-lo, armazená-lo, escolher a taça correta e a interpretar rótulos de forma simples e descomplicada. No Curso Básico de Informações de Vinhos você fará um passeio pelos países produtores mais importantes, conhecerá as características de cada variedade de uva, tipos de taças, as rolhas, temperatura ideal de armazenamento e consumo, aprenderá a decifrar os diferentes rótulos, e fará uma introdução à harmonização entre vinhos e comidas. Assuntos desenvolvidos: História do Vinho, Principais Castas Viníferas e Uvas, O Vinho e sua Elaboração, Tipos de Vinhos (brancos, tintos, rosés, espumantes e fortificados). O Enólogo, o Sommelier e o Enófilo. Análise Sensorial do Vinho: Avaliação Visual, Avaliação Olfativa, Avaliação Gustativa, Avaliação Global. Técnicas e Tipos de Degustações. Guarda e Serviço do Vinho. Acessórios do Vinho. Formação de Adegas. Harmonizações de Vinho e Comida. Principais Regiões Produtoras. Degustações Orientadas. Críticos, Guias, Revistas de Vinhos e Notas de Críticos. Ficha de Avaliação - SOMENTE 12 VAGAS. Reservas pelo Tels.: 98839-3341 (Márcio Oliveira).  Valor Individual: R$ 400,00 (pode ser pago de 2 vezes) - Local: Rua Dominicanos, nº 165- SL.605 - Serra - Belo Horizonte. Horário: 20:00 horas. O Participante do Curso recebe a apostila “ ABC DA DEGUSTAÇÃO DE VINHOS ” e degusta no mínimo 12 vinhos diferentes (mínimo de 6 rótulos a cada Encontro). Datas e programas passíveis de alteração. Os eventos de Vinhos do Márcio Oliveira são para maiores de 18 anos. 

ETIQUETA ITALIANA

Escrevi o artigo “ ETIQUETA ITALIANA ” – Para os italianos, comida é um assunto muito sério! O que para o resto do mundo é uma simples questão de preferência ou gosto, na Itália pode ser considerado um pecado gastronômico!
Há regras que não estão em nenhum manual de etiqueta e claro que quem vem de fora não é obrigado a saber ou a segui-las, mas conhecer os costumes locais pode evitar algumas gafes junto a famílias.
Por exemplo, não é educado dizer “buon appetito” no inicio de uma refeição. Isto porque antigamente os aristocratas não chegavam famintos em uma mesa formal; por isso era constrangedor dizer “bom apetite”. Mas os tempos mudaram, hoje o 87% dos italianos acha que dizer “buon appetito” é uma cortesia.
Da mesma forma, ao comer na Itália, procure não pedir mais queijo para inserir no prato, isso significa um insulto ao cozinheiro. Coloque apenas se for oferecido. Talvez em qualquer lugar da Itália ou em época passada, deve ter existido esta regra. Hoje, quando queremos mais queijo, para nossa “pasta al ragù” ou “penne alla matriciana“, não temos problemas de pedi-lo em qualquer restaurante italiano.
Portanto, conheça regras não escritas de comportamento (e as gafes) à mesa de um restaurante especialmente se ele for mediterrâneo, ou mesmo se você for convidado de uma típica família italiana:
♦ Na Italia comer é uma religião e o ato de comer sentados, todos juntos na mesa, é a cerimonia. Esquecer de fazer como no Brasil, aonde alguém pega seu prato e vai comer sentado no sofá, na frente da televisão ou até em outro quarto. O Italiano que convidou você não gostará nada!
♦ Lo stuzzicadenti - O palito de dentes. Em jantares formais melhor não perguntar por um palito. Se realmente precisar usá-lo, afastasse da mesa e use-o no banheiro, como sugere a etiqueta e educação..
♦ Gestualidade - Em geral, todos sabemos que em uma situação formal é melhor conter os gestos. No Brasil as pessoas costumam puxar levemente sua orelha para mostrar que a comida é deliciosa. Na Itália daria confusão: este gesto tem sentido de indicar alguém como homossexual. Para mostrar que uma comida é gostosa, os Italianos apoiam o dedo índex na bochecha e fazer um movimento de rotação da mão.
♦ Atenção com perguntar o sal - se na comida falta sal não devemos perguntar quando ele não está na mesa. Na antiguidade o sal era como moeda, então pedi-lo podia dar desconforto no dono da casa, caso ele não tinha mais a oferecer. Procure perguntar se estão gostando da comida...
♦ O pão não se corta com a faca na mesa, mas se divide apenas com as mãos.
♦ Guardanapo = tovagliolo. Uma vez sentados, colocar o “tovagliolo” aberto sobre as pernas. Quando precisar usá-lo, como antes de beber, portar até a boca e depois recolocá-lo de volta. Na Itália não é elegante pinturá-lo no pescoço, como para as crianças. Ao final da refeição, apoie o guardanapo à esquerda do prato.
♦ Bebidas - Nas mesas da casa dos italianos tem sempre vinho e água. É difícil ter refrigerante. Refrigerante tem, normalmente, para festa de crianças. Então a dica é: se você não vê na mesa o refrigerante, evite pedi-lo. Se não bebe vinho, peça apenas água. Vai parecer estranho, mas é aceitável. O vinho tinto é servido a temperatura ambiente então a dica é nunca reclamar se achar que ele está frio, ou quente. Nunca peça gelo para colocar no vinho. Com exceção para o vinho branco.
♦ É aconselhado não colocar o telefone celular na mesa. Há 2 motivos principais: primeiro por conta da higiene e para não diminuir a importância das pessoas sentadas na mesa. Infelizmente em restaurantes populares, sendo os Italianos apaixonados para celulares, terá uma exibição e uso exagerado de smartphones, o que não é bem visto em casas de família ou restaurantes mais elegantes.
♦ É esperado que se respeite essa sequencia de serviços: antipasto, primeiro prato (massa, risoto, sopa), segundo prato (carne ou peixe com guarnição simples), salada, queijo com fruta, sobremesa, café e digestivo.
♦ Não peça para colocar carne e massa no mesmo prato e lembre-se de que você não é obrigado a comer primeiro e segundo pratos na mesma refeição.
♦ Jamais corte a massa: enrole-a com o garfo e pronto.  E nada de fazê-lo usando uma colher.
♦ Cada molho tem sua massa, questão de aderência. Carbonara, por exemplo, é com espaguete.
♦ Os molhos precisam ser integrados à massa, não colocados por cima.
♦ Você pode até gostar, mas adicionar queijo a pratos de peixes e frutos do mar será visto como heresia. São ingredientes que não devem ser misturados, pois 1) não se combinam na gastronomia e 2) o queijo irá cobrir o sabor do ingrediente principal que, vamos falar a verdade, são refinados e já saborosos por si só.
♦ Use parmesão ralado com parcimônia, pois seu excesso cobre o gosto que o prato deveria ter.
♦ Bistecca alla Fiorentina bem passada. Isso é algo MUITO-grave-MESMO. Os verdadeiros restaurantes fiorentinos se recusam a fazer a bistecca em outro ponto de cocção e muitos até colocam um cartaz na porta já avisando aos clientes que não fazem bistecca bem passada. Se você não gosta de carne mal passada, peça outro prato !
♦ Nunca misture água no vinho, principalmente se for vinho bom ! Para quem não esta acostumado à esta bebida, o vinho italiano pode parecer "forte". É tudo uma questão de hábito e leva tempo para adaptar o paladar. Uma dica: beba água em um copo separado do cálice de vinho e alterne os goles.
♦ Não existe vinho “suave” na Itália. O garçom irá ficar confuso com este pedido. Se quiser um vinho mais leve, peça pelo vinho da casa. Na Toscana geralmente é um Chianti ou um Toscano IGT e chega a custar menos ainda de uma coca-cola. Mas há o Soave, que não tem nada de “suave”. Portanto, cuidado para não confundir as coisas ...
♦ Na Itália não existe aquele couvert que as tratorias italianas do Brasil servem com manteiga, berinjela, azeitonas e sardela. Se quiser uma entrada, veja no menu os Antipanti. O pão servido à mesa serve para acompanhar os pratos.
♦ Proibido pela etiqueta, mas permitido na Itália - Limpar o prato com pão: Existe até mesmo um termo para isto: fare la scarpetta! Se depois de terminar a massa, o molho delicioso permanecer no prato, não se acanhe de limpar com o pão! O chef ficará feliz! É como um elogio!
♦ É permitido comer pizza com as mãos - Exige um pouco de habilidade, pois a massa é fina. Observe as mesas ao lado. Eles cortam fatias menores e depois usam as mãos
♦ Cappuccino se toma de manhã. Depois do almoço ou jantar, só expresso.
♦ Nunca peça pizza dois sabores achando que dá pra dividir. Tenho certeza que todos que comeram pizza na Itália pela primeira vez pensaram que era um absurdo comer uma pizza inteira sozinho não é mesmo?! Mas depois que ela chega, quero ver alguém deixar um pedacinho de lado. A massa da pizza italiana é bem mais fina que a nossa, não tem borda e a cobertura não é abundante, então dá pra comer uma inteira sozinho fácil!

Alguns lugares fazem 2 sabores...e principal e definitivamente, não ponha ketchup na pizza. (Baseado em artigo do EM Cutura – 16/04/2015)

VIÑEDO DE LOS VIENTOS TANNAT 2012 – URUGUAI

● Vinho da Semana 21/2016 - ● VIÑEDO DE LOS VIENTOS TANNAT 2012 – URUGUAI –  A vinícola Viñedo de los Vientos está localizada em Atlântida/ Canelones, no Estuário do Rio da Prata, um dos maiores do mundo, num micro-clima que segundo Oz Clarke é muito simnilar a Bordeaux e portanto pode originar grandes vinhos.. No ano de 1998, a modernização da vinícola foi completada e hoje ela possui modernos equipamentos de vinificação, tanques de fermentação e armazenagem de aço inox com controle de temperatura e todos os seus vinhos amadurecem em barricas de carvalho francês.
A Vinícola possui atualmente 37 hectares de vinhedos, onde são cultivadas as variedades: Tannat, Cabernet Sauvignon, Trebbiano, Chardonnay e Nebbiolo. Hoje, dois terços da produção da vinícola são exportados para os Estados Unidos, sendo que o foco da produção efetivamente está na exportação.
Atualmente, a vinícola está sob o comando de Pablo Fallabrino e Mariana Cerutti. O primeiro herdou a vinícola em 1995, quando tinha 21 anos. É enólogo e surfista, o que lhe confere certa irreverência no tradicional mundo do vinho. Além dos tintos tranquilos a vinícola elabora um "ripasso" de Tannat, amadurecido por 18 meses em barricas francesas, além do Alcyone, um licoroso também da mesma uva.
O Uruguai começou sua produção de vinhos em meados do século XIX, por meio da introdução de cepas européias trazidas por imigrantes espanhóis e italianos. As vinhas se estendem por todo o país, mas estão concentradas sobretudo no sul e no sudoeste, na região próxima de Montevideu. Em linhas paralelas, o Uruguai está na mesma latitude de Mendoza, na Argentina, e do Vale Central, no Chile, mas a sua produção em nada se parece com a desses dois países, uma vez que para muitos críticos de vinhos, seus produtos guardam mais semelhança com os produtos do Velho Mundo.
● Notas de Degustação: Cor rubi escuro, com aromas de frutas escuras maduras como cerejas e ameixas, evoluindo para geléia ou compota. No paladar o vinho é bem equilibrado, com taninos desenvolvidos e macios, notas de frutas maduras e especiarias, um toque de madeira no fim de boca bem integradas com os aromas de fruta madura. Mais um vinho gostoso e fácil de beber. Os aromas e sabores melhoram com a aeração. Boa relação custo-benefício.
● Estimativa de Guarda: mais 3 anos fácil, mas já está excelente neste momento. Pode ser indicado como vinho de gastronomia para acompanhar pratos de carnes grelhadas.
Notas de Harmonização: um vinho versátil, fácil de harmonizar com carnes grelhadas, salsicharia e queijos de massa mole a firme. Sirva entre 16 a 18°C.

Onde comprar: ClubeW (Wine.com)

CARPE VINUM CABERNET SAUVIGNON RESERVA 2011 – VALE DE ITATA - CHILE

● Vinho da Semana 21/2016 - ● CARPE VINUM CABERNET SAUVIGNON RESERVA 2011 – VALE DE ITATA - CHILE –  A Vinos Del Sur é uma empresa formada há 25 anos por dois sócios José Esturillo e Francisco Gillmore, que buscaram novos horizontes no setor do vinho, e fundaram a vinícola sob um conceito familiar, transferindo esse conhecimento para as novas gerações. Em 1999 adquiriram uma nova propriedade em Larqui, com 110 hectares localizados no Valle del Itata para alocar essas plantações para a produção de vinhos varietais e  reservas premium, com foco em castas como Cabernet Sauvignon, Syrah, Carmenere e Cabernet Franc.

● Notas de Degustação: Cor rubi escuro, com aromas de frutas escuras maduras como amoras, cerejas e geléia de cassis, entremeados com as mesmas frutas frescas. Na evolução em taça aparece um toque de compota, caramelo e caixa de charuto. No paladar o vinho é equilibrado, com taninos macios, notas de especiarias, um toque sutil de madeira na degustação. Notas tostadas da barrica estão bem integradas com os aromas de fruta escura (cereja, ameixa), criando um vinho gostoso e fácil de beber. O final é bastante agradável com boa persistência. Excelente exemplo de custo e benefício.
● Estimativa de Guarda: mais 3 anos fácil, mas já está excelente neste momento. Pode ser indicado como vinho de gastronomia para acompanhar pratos de carnes grelhadas, ou para uma degustação com queijos cremosos.
Notas de Harmonização: um vinho versátil, fácil de harmonizar com carnes grelhadas, salsicharia e queijos de massa mole. Vai bem com carnes, queijos e massas com molhos cremosos. Sirva entre 16 a 18°C.

Onde comprar: Em BH – CEPAGE NOBLE – Endereço: Rua Desembargador Jorge Fontana, 80 – Sala 1007 – Belvedere ou  Av. Luiz Paulo Franco, 563 – Loja 0004 – Belvedere – contato: Haroldo Quintão: haroldo.quintao@cepagenoble.com.br  I Tel.:(31) 2515-5734.

QUEREU CABERNET SAUVIGNON 2014 – VALE CENTRAL - CHILE

● Vinho da Semana 21/2016 - ● QUEREU CABERNET SAUVIGNON 2014 – VALE CENTRAL - CHILE – A Fox Wines é conduzida por duas “raposas” da indústria vinícola chilena, Sergio Reyes e Raul Beckdorf, cada um deles com mais de 20 anos de experiência na elaboração, marketing e exportação de vinhos chilenos. Entre os rótulos que compõem o portfólio da empresa está o Quereu, nome de um pássaro chileno na língua dos Mapuche. A linha varietal, que chega ao Brasil, inclui os brancos Quereu Sauvignon Blanc, frutado, com notas cítricas e herbáceas e grande frescor; Quereu Chardonnay, com bom volume, estrutura complexa e boa persistência; e os tintos Quereu Carménère, frutado, com taninos suaves; Quereu Cabernet Sauvignon, com taninos doces e bom corpo; e Quereu Merlot, equilibrado, fresco, com acidez agradável e taninos maduros. Estes vinhos são produzidos no Vale Central.
 Elaboração - Uvas colhidas e selecionadas cuidadosamente. Foi feita maceração pré-fermentação de 48 horas. A fermentação foi feita em tanques de aço inox por um período de 8 dias a temperatura controlada de 28-29 °C. Em seguida, foi feita uma maceração sobre as borras durante 4 dias. Não passa por madeira.
● Notas de Degustação: Cor rubi de boa intensidade, com aromas de frutas vermelhas (cerejas e morangos), combinadas suavemente com notas de tabaco (apesar do vinho não passar por madeira). Na boca, apresenta taninos macios, corpo médio e boa persistência. Ótimo frescor, num vinho com fim de boca relativamente doce. Muito agradável para bebericar ou acompanhar pratos leves.
● Estimativa de Guarda: mais 3 anos fácil, mas já está excelente neste momento.
Notas de Harmonização: para acompanhar queijos suaves, aves e carnes vermelhas. Servir entre 16 e 18 °C. Sirva entre 16 a 18°C.

Onde comprar: Em BH: PREMIUM - Rua Estevão Pinto, 351 - Serra - 30220-060 - Belo Horizonte - MG  - 31 3282-1588 I  Em SP: PREMIUM - Rua Apinajés, 1718 - Sumaré - 01258-000 - São Paulo - SP - 11 2574-8303.

terça-feira, 17 de maio de 2016

CONVIVIUM SBAVMG – CELEBRANDO O INVERNO E REVENDO AMIGOS

24.JUN.2016 – 6ª-Feira – 20:00hs – CONVIVIUM SBAVMG – CELEBRANDO O INVERNO E REVENDO AMIGOS – Oportunidade para aproveitar o convívio com amigos, associados, e compartilhar uma taça de vinho e uma boa conversa no SARGAS Restaurante - A escolha do nome foi por conta da estrela SARGAS, uma integrante da Constelação de Escorpião, uma vez que todo o amplo universo astronômico está presente no contexto dos espaços do MERCURE Horel Lourdes. Com recente projeto de reforma assinado pelos arquitetos Gabriel de Castro, Marcos Franchini e Pedro Haruf, o restaurante tem espaços amplos e bem definidos para Cafeteria, Bar, e Salão de Restaurante. 
A cozinha apresenta ênfase na harmonização de vinhos com uma gastronomia internacional contemporânea, com releitura de pratos clássicos e introdução e valorização de ingredientes regionais com consultoria de Samira Lyrio (Restaurante Flores). O cardápio do Jantar Convivium foi cuidadosamente elaborado, com o seguinte Menu:

ENTRADAS NA SUA ESCOLHA: Carpaccio de Mozarela de Búfala, Creme de Leite, Limão Siciliano, Pimenta dedo de moça e Manjericão, ou Brandade de Bacalhau I 

PRATO PRINCIPAL NA SUA ESCOLHA: Badejo, Vagem Rasteira, Molho de Tamarindo e Castanha de Caju, ou Bife Chorizo Angus, Palmito Pupunha, Salsa Verde e Farofa de Manjericão I

SOBREMESA NA SUA ESCOLHA: Banofee Pie: Torta com banana, Doce de Leite, Creme Batido e Avelã, ou Terrine de Chocolate. Incluso: Água, Café, Nespresso ou Chá. 

Valor Individual: R$ 142,00 (incluso o Menu, Água, Café, Espumante de Recepção). 

TRAGA SEU VINHO COM O TEMA DE “CELEBRANDO O INVERNO” PARA COMPARTILHAR COM OS AMIGOS. 
Valor mínimo do Vinho Individual: R$ 50,00/garrafa. 
SARGAS Restaurante - Mercure Hotel BH Lourdes I Endereço: Av. do Contorno, 7315 – Lourdes – BH MG I Tel. (31) 3298-4142 ou 3298-4150. 
Inscrições pelo E-mail do Domingos Sávio Mendes: domingossaviomendes@gmail.com I Marcos Calmon: marcoscalmon@uol.com.br ou Márcio Oliveira: molivierbh@gmail.com . 
Por favor informe suas opções de cardápio no momento da inscrição.