terça-feira, 28 de outubro de 2014

FERRARI - MELHOR ESPUMANTE DA ITÁLIA E DO MUNDO



Ferrari Perlé– World Champion Award

A safra 2007 da Ferrari Perlè Trento DOC elaborada pela família Lunelli foi premiada com o título de “Melhor Espumante da Itália” e “Melhor Espumante do Mundo” excluindo o Champagne.
A Ferrari Perlè Trento DOC 2007 foi coroada “World Champion SparklingWineOutsideofChampagne” no primeiro campeonato Champagne&SparklingWine World Championships, uma competição internacional dedicada ex
clusivamente a vinhos espumantes. O certame foi fundado pelo escritor britânico Tom Stevenson, o qual escreve sobre vinhos há mais de 30 anos. Stevenson é reconhecido como a maior autoridade mundial em Champagne. Ele escreveu 23 livros, o mais importante foi publicado internacionalmente por mais de 50 editoras e traduzido em mais de 25 línguas. Em 1986 o seu livro Champagne se tornou o primeiro livro de vinho no mundo a vencer quatro prêmios literários.
Para além do título de “Melhor Espumante do Mundo”, a Ferrari Perlè 2007 também foi premiada como o “Melhor Espumante da Itália”, certificando a sua posição como a melhor das bolhinhas da Trento DOC. A competição foi uma prestigiosa “assemblage” de mais de 650 espumantes de 16 países diferentes.
Perlè foi o primeiro vinho espumante reserva apresentado pela casa Ferrari, na safra de 1971. Ele representa a principal expressão de elegância e harmonia que se tornou célebre como o estilo da casa. O espumante é elaborado com 100% Chardonnay, oriundo exclusivamente de vinhedos próprios manejados segundo os Protocolos de Viticultura Orgânica e Sustentável de Montanha, certificados pela CSQA. Os vinhedos da Família Lunelli estão localizados em altas cotas de altitude e encrustados nas colinas prístinas do conjunto de montanhas do Trentino.
O presidente da Cantine Ferrari MatteoLunelli comentou que se sente “cheio de orgulho pela conquista, que é um testamento da força do território único e privilegiado do Trentino, e sua extraordinária vocação para elaborar bolhas de excelência e beleza”.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

II SALÃO DE CHAMPAGNES, ESPUMANTES, VINHOS BRANCOS E ROSÉS VERDEMAR


12 e 13.NOV.2014 – 16 ás 21:00hs – BH / VERDEMAR - II SALÃO DE CHAMPAGNES, ESPUMANTES, VINHOS BRANCOS E ROSÉS – 50 Rótulos de 7 Países Produtores estarão em degustação. Prepare-se para exeprimentar novos aromas, compartilhar experi~encias, aprimorar conhecimentos. Surpreenda-se ! Ingressos à venda em todas as Lojas Verdemar. Participe do evento e concorra a uma Cesta Especial com vinhos degustados no Salão. Os vinhos estarão com preços diferenciados. Valor do Ingresso Individual – R$ 100,00. Informações: Tel.: 2105-0114.

CONCERTO LAMBRUSCO MEDICI ERMETE 2012



Vinho da Semana 38/2014 CONCERTO LAMBRUSCO 2012 – São raros os exemplos de lambruscos que merecem algum reconhecimento. Quando o vinho fez sucesso no Brasil há cerca de 20 anos atrás, passaram a importar o que havia de mais barato (e nem sempre de qualidade) em matéria de vinhos Lambrusco, enchendo as prateleiras de supermercados com uma variedade extensa de rótulos e estilos que chegaram a ter algum êxito em vendas por conta do sabor suave e doce de alguns exemplares (amabile). Mas de forma geral, estes rótulos não têm corpo, expressão ou personalidade, sendo na maioria das vezes, vinhos dispensáveis numa degustação. O Concerto da Medici Ermete é um dos raros rótulos com corpo e taninos de expressão. Portanto, um lambrusco de exceção. Mas beba-o quanto antes, pois é melhor quando jovem. Na realidade, a lenda de quanto mais velho ser melhor, não deve ser usada para todos os vinhos !
● Notas de Degustação: Cor brilhante. Aromas de groselha vermelha, com notas de rosas e especiarias, com boa complexidade. Macio, fresco, com boa concentração frutada.
 Graduação Alcoólica: 11,5° GL. Premiações mais Relevantes: GAMBERO ROSSO 2010: 3 Bicchieri - Máxima classificação do Guia Italiano de Vinhos. REVISTA DECANTER: 91 pontos.
Notas de Harmonização: Lasanha à bolonhesa; Galantina de frango com pistache; Grande versatilidade à mesa: Pizzas; Bruschettas; Antipastos italianos; Culatello; Mortadela e salames. Importado pela DECANTER – Valor do Vinho: R$ 65,10/gf. Em BH - Enoteca Decanter - Rua Fernandes Tourinho, 503 – Funcionários – Belo Horizonte / MG. Telefone: (31) 3287-3618.

GALLARDIA DEL ITATA ROSÉ 2013



Vinho da Semana 38/2014 GALLARDIA DEL ITATA ROSÉ 2013 – Um rosé de Cinsault feito pela Vinícola De Martino que é encantador. Fácil de beber, de gostar e comprar a segunda, terceira ... garrafa !!! O vinho é feito a partir de vinhas de pé franco com pelo menos 30 anos de idade.

  ● Notas de Degustação: cor rosé clara, brilhante. O olfato revela aromas de frutas vermellhas frescas (morango, framboesa) e alguma nota floral. Estimulante no olfato, revela-se em boca, com ótima acidez, com paladar frutado prazeroso. Generosamente perfumado até o final de prova.
Notas de Harmonização: Excelente por si só na beira da praia ou piscina; Salada niçoise; Bouillabaisse; Carpaccio bovino com lâminas de figo maduro; Pissaladière; Fantástico com Paella de frutos do mar e mariscos; Tajine com frango, limão siciliano e azeitonas pretas; Queijos de cabra frescos.
Premiações mais Relevantes: GUIA DESCORCHADOS 2014: 91 pontos.
Importado pela DECANTER – Valor do Vinho: R$ 65,10/gf. Em BH - Enoteca Decanter - Rua Fernandes Tourinho, 503 – Funcionários – Belo Horizonte / MG. Telefone: (31) 3287-3618.

AS PRINCIPAIS UVAS BRANCAS

Escrevi o artigo “ UVAS BRANCAS – PARTE III “ – Recentemente, ao escrever um artigo sobre Castas Italianas, isto despertou curiosidade dos leitores do Vinotícias sobre castas brancas, havendo algumas solicitações neste sentido. Assim sendo, vamos buscar descrever as principais caracterísiticas destas uvas e agora vamos para a parte III, num resumo geral de informações sobre as principais uvas brancas.

UMA DESCRIÇÃO MAIS COMPLETA DAS PRINCIPAIS UVAS BRANCAS:
1) CHARDONNAY – descrita na Parte I.
2) CHENIN BLANC, 3) SAUVIGNON BLANC, 4) RIESLING, 5) MARSANNE, 6) GEWURZTRAMINER, 7) MOSCATEL, 8) VIOGNIER e 9) SÉMILLON - descritas na Parte II.

AS PRINCIPAIS UVAS BRANCAS SÃO AS SEGUINTES:
  ALIGOTÉ - Uma uva agradável, porém comum, produzindo vinhos brancos secos, ácidos e encorpados na Borgonha.

● ALVARINHO (ou Albariño, na Espanha) - responsável pela produção na região do Minho, em Portugal, do vinho verde, que tem este nome pois deve ser tomado ainda jovem, isto é "verde". É uma uva que confere boa acidez, aroma e certa efervescência ao vinho. Países: Portugal (vinho verde), Espanha

● ARINTO – Arinto é considerada uma das melhores castas brancas portuguesas, sendo-lhe reconhecida excepcionalidade devido à sua elevada acidez e capacidade de produzir vinhos com muito boa aptidão para envelhecer.
A acidez natural confere aos vinhos frescura de boca e intensidade aromática, marcada por frutos citrinos. O envelhecimento dá-lhe complexidade e elegância, desenvolvendo-se aromas de mel e querosene. É conhecida por ser uma casta de vinificação difícil, recomendando-se o lote com Antão Vaz, Gouveio, Malvasia Fina, Fernão Pires, Trincadeira das Pratas, Vital e Síria para a produção de vinhos de eleição.  
Na vinha, esta casta é facilmente reconhecível devido à grande desorganização da vegetação, com folhas grandes e cachos compactos de grandes dimensões e estrutura multi-alada. Os bagos elípticos e curtos apresentam-se pequenos, verde amarelados e com polpa mole, sendo particularmente sensíveis à traça. É uma videira de maturação tardia, sensível ao vento antes da floração e a solos sem retenção de água. Por isso, obtém melhores resultados no micro-clima de Bucelas, caracterizado por noites frescas, manhãs com nevoeiro e tardes quentes, condições que favorecem a maturação permitindo a obtenção de vinhos de Arinto com aromas intensos e acidez elevada.
Pensa-se que a origem da Alvarinho está nas castas trazidas do Reno pelo Marquês de Pombal para a região de Bucelas. No entanto, o aparecimento desta videira envolve algum mistério, já que outra versão da história indica que foi levada de Bucelas para o Reno, por cruzados teutónicos que regressavam da Terra Santa. Em todo o caso, as semelhanças entre a Arinto e as castas brancas do Reno como a Riesling são escassas.
A variedade de nomes pelos quais é conhecida a Alvarinho mostra a sua dispersão pelo território português, com especial incidência em Bucelas, onde é a principal casta cultivada. Quando se ouve falar de «Pedernã», «Pé de Perdiz Branco», «Chapeludo», «Sercial», «Azal Espanhol», «Azal Galego», «Branco Espanhol», «Arinto da Anadia», «Arinto do Douro» e «Arinto de Trás-os-Montes» trata-se, afinal, da tradicional Arinto.

● ARNEIS - encontrada no Piemonte, é encorpada e seca, com perfume de frutas brancas (melão e pêra) e amêndoas. Países: Itália (Pimonte)

● ASSYRTICO - especialidade da ilha vulcânica de Santorini, no Mar Egeu, é a uva grega de brancos com boa acidez. País: Grécia (Santorini)

● BUAL - usada na Ilha da Madeira para vinhos fortificados típicos da região.

● CHARDONNAY - Uva branca fácil de cultivar e vinificar. Está espalhada em todo o mundo. É usada na produção de clássicos de alta qualidade e reputação na Borgonha, como Chablis, Montrachet e Poully-Fussé, além de ser um importante ingrediente do campanhe. Por não ser uma uva aromática, a passagem pelo barril de carvalho lhe confere maior complexidade em algumas regiões, principalmente do Novo Mundo, onde mostra um toque amanteigado e tostado. Países: França (Borgonha), Estados Unidos (Califórnia), Austrália, Nova Zelândia, Chile, África do Sul, Argentina, Brasil

● CHENIN BLANC ( Chamada de Steen na Africa do Sul) - variedade do Loire central, na França, de aroma floral, dá vinhos secos ou doces - neste caso, quando são atacadas pela podridão nobre, que lhes confere maior teor de açúcar. Países: França (Loire), EUA, África do Sul (conhecida como steen), Austrália e Nova Zelândia.

● CLAIRETTE (clairette blanc) - uva branca cultivada no sul da França. É uma das variedades autorizadas no vinho tinto Châteauneuf-du-pape e brancos Côtes-du-Rhone. Na Austrália é conhecida como blanquette. Países: França e Austrália

 COLOMBARD - A uva Colombard produz vinhos brancos leves, suaves, frutados e baratos no Sudoeste da França, especialmente os Vin de Pays des Côtes de Gascone, além dos vinhos que são a base para os vinhos fortificados locais como o “cognac” e o “armagnac”. É também popular na Califórnia, África do Sul e Austrália.

● CORTESE - cepa autóctone italiana refrescante e com toques minerais. Países: Itália (Piemonte, Lombardi e Vêneto)

● DURIF - também conhecida como PETIT SYRAH, mais encontrada na Califórnia País: França e EUA (Califórnia)

● FIANO - uva nativa do Sul da Itália, para brancos ligeiros e frescos. País: Itália (Campania)

● FURMINT - os renomados grandes vinhos doces Tokay, da Hungria, são feitos desta variedade. Sua fina casca facilita a ação do fungo Botrytis cinerea, que aumenta o teor de açúcar à uva. A Furmint, varietal branca encontrada em grande quantidade na Hungria e em menor escala na Eslovênia, é uma uva refinada e apaixonante, dando origem a um dos mais famosos e longevos vinhos de sobremesa do mundo, o Tokay. É uma varietal muito sensível a Botrytis cinerea (ou “podridão nobre”). Seus vinhos costumam ter acidez extremamente elevada, alta concentração de açúcar residual e elevado teor alcoólico, com grande potencial de envelhecimento. Os vinhos são ricos, concentrados e ardentes. Pode produzir também vinhos completamente secos, robustos e potentes. Países: Hungria, Áustria, Eslováquia, Croácia e Romênia

● GARGANEGA - principal uva do vinho tipo Soave. País: Itália (Vêneto)

● GEWÜRZTRAMINER - Em alemão significa "especiarias". Produz vinhos brancos ricos, de cor amarelo-ouro e aroma intenso (rosas, canela e gengibre). Encontrou seu melhor solo na região francesa da Alsácia, mas também é encontrada na Alemanha e outras regiões de clima frio. Países: França (Alsácia), Alemanha, Itália, Chile, África do Sul, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia.

● GLERA (era chamada anteriormente de PROSECCO) - encontrada na região de Vêneto, na Itália, é responsável pela produção de espumantes frescos, frutados, com pouco acidez e paladar. Não se trata, portanto, de uma região, como muita gente pensa, mas de uma uva, usada por este espumante que se difundiu por todo o mundo. Países: Itália, Brasil

● MACABEO - também conhecida como VIURA, é uma das três uvas usadas no corte das cavas (espumante spanhol) e nos vinos brancos da Rioja. País: Espanha (Penedès e Rioja)

● MALVASIA - das mais antigas uvas brancas que se conhece (cerca de 2.000 anos). Apesar de produzir vinhos secos no sul da Itália, se notabilizou pelo vinho fortificado que produz em Portugal (Madeira). Países: Portugal, Itália e Espanha.

● MÜLLER-THURGAU - É uma uva resultante do cruzamento da Riesling com a Sylvaner, plantada por toda a Alemanha, sendo a principal constituinte do Liebfraumilch. É também a variedade mais comum na Inglaterra.

● MUSCADELLE - típica variedade de Bordeaux, na França, usada principalmente para vinhos doces produzidos em Barsac e Sauternes. Como é muito aromático, é usado em pequenas quantidades quando misturados a vinhos doces baseados das uvas sémillon e sauvignon blanc. País: França

● MUSCAT (Moscato e Moscatel) - plantada no mundo todo é própria de vinhos doces perfumados. É a única uva vinífera que preserva os aromas de uva no vinho e talvez uma das espécies mais antigas ainda cultivadas. Usada para vinhos secos na Alsásia e para espumantes do tipo Asti Espumante e Moscato Bianco. Países: França (Alasácia), Portugal, Espanha e Itália

● PALOMINO - principal uva do vinho fortificado do Sul da Espanha, xerez. Países: Espanha, Estados Unidos e Austrália

● PEDRO XIMÉNEZ - outra variedade do sul da Espanha utilizada nos vinhos  fortificados xerez, como o Oloroso. País: Espanha

● PINOT BLANC (pinot bianco)- esta uva dá vinhos leves, secos, frutados, para beber jovem, principalmente aqueles produzidos na Itália. Original da Borgonha, na França sua base é a Alsácia. Países: França (Alsácia), Itália, Áustria e EUA

● PINOT GRIS (tokay d'Alsace, pinot grigio) - da família pinot noir, resulta em vinhos brancos leves, jovens e secos na Itália e mais ricos e perfumados, na região francesa da Alsácia. Países: França (Alsácia), Itália, Alemanha, Hungria e Nova Zelândia

● ROUSSANE - traz elegância aos brancos do Rhone, também cultivada no Languedoc-Roussillon. País: França (Rhone, Languedoc-Rousiillon)

● RIESLING - Junto com a Chardonnay é considerada a melhor uva branca do mundo. Produz vinhos com acidez elevada e teor alcoólico baixo (8ºC). Os melhores riesling são encontrados na Alemanha e produz vinhos de grande qualidade que é metido pelo seu teor de açúcar. Aromas delicados e florais. Países: Alemanha, Áustria, Austrália, Nova Zelândia, França (Alsácia) e EUA.

● SAUVIGNON BLANC - Tem acidez aguda, fresco, aspectos minerais e bastante frutados no Novo Mundo. Mantém a limpidez pois raramente fica impregnada de carvalho. Na França, alcança melhores resultados em rótulos da região do Loire. É misturada com Sémillon em Bordeaux. Também é parte da composição dos vinhos doces de Sauternes e Barsac. Na Nova Zelândia, encontrou o solo ideal para produção de vinhos que colocaram o país no mapa do mundo do vinho. Países: França (Loire, Bordeaux), Nova Zelândia, Chile, Áustria e África do Sul.

● SÉMILLON - Tanto vinhos brancos secos de Bourdeaux como vinhos doces da região de Sauternes, na França, usam esta variedade (como o Château D'Yquem, 4/5 de sémillon e 1/5 de sauvignon blanc). Varia sua característica de acordo com a região que é cultivada: aromas cítricos e adocicado em Bordeaux e amanteigado e com grande potencial de envelhecimento na Austrália. Países: França (Bordeaux), Austrália Nova Zelândia, África do Sul, EUA

● SERCIAL - usada para elaboração de Madeiras mais secos e leves. País: Portugal (Ilha da Madeira)

● SYLVANER - Uma das menos expressivas e consideradas uvas brancas da Alsácia, mas ainda assim não desprovida de atrativos. Na Alemanha, onde é conhecida como Silvaner, é importante na região da Francônia.

● SCHEUREBE - É uma varietal híbrida de Riesling-Silvaner alemã, bastante interessante, que dá origem a bons vinhos brancos secos e doces. Também é encontrada na Inglaterra.

● TOCAI (friulano) - variedade branca cultivada na região italiana de Friuli-Veneza, que produz vinhos encorpados e elegantes. Não há qualquer relação da uva Tocai com os renomados vinhos húngaros doces Tokay (produzidos com a cepa furmint. Ver verbete acima). País: Itália

● TORRONTÉS - muito aromática, com intenso aroma floral, produz vinhos típicos argentinos. País: Argentina

● TREBBIANO - Produz vinhos brancos mais comuns e sem personalidade na Itália. É plantada extensivamente em todo o país. Usada no corte com outras uvas para a composição de vinhos. Com o nome de UNI BLANC e saint-émilion é muito usada na produção de conhaque e armagnac, na França. Países: Itália, França, África do Sul e Austrália

● VERDELHO - uva mais cultivada na Ilha da Madeira, para um estilo meio-seco. País: Portugal (Ilha da Madeira)

● VERDICCHIO - uva branca típica da Itália Central, bastante seco e cítrico. País: Itália

● VERMENTINO - cepa usada na elaboração de brancos secos e florais. País: Itália

● VIOGNIER - uva que produz vinhos brancos secos e com toques florais, bastante perfumado. De origem francesa, vem sendo redescoberta nos últimos anos. Produz vinhos muito ricos e refrescantes, para serem bebidos jovens. Países: França, Austrália, África do Sul e Argentina

● VIOSINHO - usada no Porto branco e nos secos brancos do Douro. País: Portugal (Douro)

● VIURA – uva branca que produz vinhos pálidos e leves, com lembranças a frutas verdes, é um vinho que por sua lenta oxidação é propício para envelhecer na madeira. País: Portugal (Minho)
● XAREL-LO - outra variedade usada para elaboração das cavas, responsável por mais fruta à bebida. País: Espanha (Penedés)

Semana que vem falaremos, a pedidos, sobre como calcular o que servir numa “Noite de Vinhos e Queijos” ...