terça-feira, 30 de setembro de 2014

Festival do Vinho Sul-Americano

Festival do Vinho Sul-Americano

3 OUT 2014 | 16 às 21h 

Golden Tulip Paulista Plaza.
A SBAV-SP realizará novo evento em outubro. Este encontro será uma ótima oportunidade de confraternização, onde você também poderá degustar e adquirir os melhores vinhos sul-americanos. Contamos com sua presença!

FestVSA2

Data: 3 de outubro de 2014
Horário: 16 às 21h
Local: Hotel Golden Tulip Paulista Plaza
Alameda Santos, 85 – Jardins – São Paulo, SP
(Localização Central – fácil acesso, próximo ao Metrô)
www.goldentulippaulistaplaza.com
divisoria2
Mais informações:
Ingressos e inscrições (imprensa): c/ Anderson (SBAV-SP)
Tel. 11 3814-7905
vinho@sbav-sp.com.brR$ 30,oo (associado)
R$ 50,00 (não associado)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

OUTUBRO.2015 - "ENOTRUFA CROÁCIA E ESLOVÊNIA COM AUSTRIA MUSICAL"



OUTUBRO.2015 - "ENOTRUFA CROÁCIA E ESLOVÊNIA COM AUSTRIA MUSICAL" – A Croácia tem desde o século IV a.C longa tradição vinícola, porém hoje a indústria ainda está lidando com as seqüelas da guerra civil. Há 2 distritos vinícolas separados por uma cadeia de montanhas, Primorska (costa) e Kontenentalna (interior), com clima, solo e tipos de vinhos diferentes. Os vinhedos ativos estão aumentando graças á iniciativas como a organização Roots of Peace ("raízes da paz"), que vem removendo minas terrestres para fazer replantios. Apesar de pequena, a Eslovênia tem longa história na vitivinicultura. De fato, sua tradição vinícola remonta há 2.400 anos. Os celtas e os ilíricos já faziam vinho na região antes da chegada dos romanos. Na Idade Média, a bebida continuou sendo produzida por monges. Tendo feito parte do Império Austro-húngaro e, mais tarde, da Iugoslávia, logo após a II Guerra Mundial, o foco da indústria no país foi dado por cooperativas e estava na quantidade. A Eslovênia se tornou independente em 1991 e, felizmente, muitos rótulos excelentes e longevos haviam sido produzidos, especialmente na região de Podravje, servindo como base para a atividade vinícola nos dias atuais. A história do vinho na Áustria teve início pelas mãos dos celtas, que em 500 a.C. já cultivavam uvas para a produção da bebida. Os romanos deram continuidade ao trabalho, que quase foi dizimado na época das invasões bárbaras. Mais tarde, com a vinda de monges para a região – geralmente cistercienses da Borgonha –, as vinhas voltaram a florescer. Naquela época, as áreas de vinhedos eram 10 vezes maiores que as atuais e os rótulos austríacos largamente exportados. A primeira escola de viticultura e enologia da Áustria foi estabelecida em Klosterneuburg, nos idos de 1860. Em 1985, um episódio devastador assolou a Áustria. Foi descoberto que uma parte da produção do país havia sido adulterada por um aditivo químico ilegal a fim de que os vinhos aparentassem ter mais corpo e de que os vinhos doces tivessem sabor ainda mais doce. No ano seguinte, as exportações caíram mais de 80%. Depois desse episódio, profundas reformas no setor foram feitas e a legislação austríaca é, até hoje, uma das mais rigorosas do mundo. A desconfiança dos vinhos austríacos só começou a se dissipar na segunda metade da década de 1990 e hoje pode-se afirmar que o país produz alguns dos melhores Riesling e vinhos de sobremesa do mundo, especialmente botritizados, além de Pinots surpreendentes. País Natal de Wolfgang Amadeus Mozart, nascido em 27 de janeiro de 1756 na cidade austríaca de Salzburgo, pretendemos ouvir “in loco” uma de suas óperas importantes e de grande sucesso como “As bodas de Fígaro”, “Così fan tutte”, “A Clemência de Tito” e “A flauta mágica”, além de sonatas para piano, música de câmara e concertos para piano. Com a saúde debilitada, morreu com apenas 35 anos de idade. A causa de sua morte foi, proavelmente, uma forte infecção intestinal, já que era acostumado a cometer excessos com comidas e bebidas. Datas sendo definidas. Valores em construção. INFORMAÇÕES, INSCRIÇÕES e RESERVAS: Na ZENITHE TRAVELCLUB Consultoria e Operadora de Experiências EnoGastronômicas. Belo Horizonte. TEL.: (31) 3225-7773. Contato: German Alarcon-Martin.

MAIO.2015 - "ENOGASTRO BORGONHA E ALSÁCIA COM UMA PITADA DE JURA”


MAIO.2015 -  "ENOGASTRO BORGONHA E ALSÁCIA COM UMA PITADA DE JURA” – Conhecida pela excelência de seus vinhos, a Borgonha é também considerada a capital gastronômica da França. Notável por sua paisagem, seu patrimônio histórico e arquitetônico medieval são riquíssimos, e a beleza de cidades como, por exemplo, Beaune é inesquecível. Os resquícios do antigo esplendor não são facilmente encontrados quando se viaja pelo interior e o que se vê hoje é a beleza simples e rústica de seus campos e construções. As grandes propriedades não mais existem, deram lugar a pequenos lotes de terra depois que Napoleão realizou a sua reforma agrária, dividindo as propriedades da Igreja. A fragmentação dos vinhedos hoje é tão grande que a média das propriedades é de pouco mais de um hectare. A Clos de Vougeot, por exemplo, conta com mais de 60 proprietários em seus 50 hectares. 
 
A Alsácia produz alguns dos melhores brancos do mundo em diversos estilos, de espumantes a vinhos tranquilos, de secos a doces deslumbrantes. O curioso é que na Alsácia o refinamento do foie gras e a rusticidade do chucrute integram a lista de iguarias típicas. É uma região onde as pessoas falam francês, mas têm sobrenome alemão. Um lugar de História muito rica, onde dois países, atualmente, se sobrepõem em harmonia, depois de séculos de guerras, fundindo 
sabores e estilos arquitetônicos, tradições e aspectos estéticos. Nesse ponto de interseção cultural, para beber, há vinhos produzidos com uvas gaulesas, como a pinot noir, ou com variedades germânicas, como a gewüztraminer, e as cervejas também fazem o maior sucesso.

Na fronteira da Suíça e a Borgonha está a pequena região do Jura. Pequena de tamanho, mas grande no seu ímpar vinho, o Vin Jaune ou vinho amarelo, feito com a Savigny em colheita tardia  com maior concentração de açúcar elaborando vinhos com nível de álcool em torno de 13 a 15%  de teor alcoólico. As uvas são fermentadas de maneira lenta e depois armazenadas em grandes barricas de madeira. A evaporação abre espaço para o oxigênio e os níveis não são repostos, desta maneira há uma lenta e gradual oxidação do vinho que adquire a sua cor amarela e sabor característicos de noz, frutas secas e damasco (lembrando o Jerez). Também é muito interessante a Crémant Du Jura um sparkling rose em geral um corte de Pinot Noir e Poulsard. Com aromas delicados de cereja, morango e groselha, pena que pouco vem para o Brasil. Datas sendo definidas. Valores em construção. INFORMAÇÕES, INSCRIÇÕES e RESERVAS: Na ZENITHE TRAVELCLUB Consultoria e Operadora de Experiências EnoGastronômicas. Belo Horizonte. TEL.: (31) 3225-7773. Contato: German Alarcon-Martin.

20 a 24.ABRIL.2015 – ENCANTOS ENOGASTRONÔMICOS DE SAMPA COM VISITA A EXPOVINIS



20 a 24.ABRIL.2015 – ENCANTOS ENOGASTRONÔMICOS DE SAMPA COM VISITA A EXPOVINISUm Roteiro pelos bons restaurantes da Capital Paulista e visita a Expovinis 2015 (22 a 24/04). Desde o famoso Lanche de Mortadela com mais de 200 gramas de mortadela fatiadas bem fininhas, o sanduíche é um dos principais chamarizes de turistas para o Mercadão Municipal de São Paulo. Paulistano que é paulistano sabe: o sanduíche de mortadela, o pastel  e o bolinho de bacalhau são verdadeiras instituições do Mercado Municipal da cidade. Seja pela fartura, pela fama ou mesmo pelas grandes filas, comer pelo menos um dos três lanches é parte obrigatória de qualquer roteiro pelo Mercadão. Instalado no mesmo local desde a abertura do mercado, o Hocca Bar é um bastiões dos lanches que se tornaram verdadeiros sinônimos do lugar. Além dos caprichados bolinhos, pastéis e sanduíches tradicionais, a lanchonete criou novas variações para cada um deles, que merecem o acompanhamento de um chopinho no fim da tarde.
Na falta de um lugar para comer entre as diversas bancas, também é possível provar o melhor da gastronomia do local no espaço gourmet, localizado no mezanino, que foi inaugurado em 2004 como parte da revitalização do prédio. Lá há outras opções que vão além dos lanches conhecidos. Há restaurantes de culinária brasileira, japonesa e árabe. Além das sobremesas, que são um capítulo a parte. O Roteiro percorrerá Cartas de Vinhos excepcionais como o Arola-Vintetres (São Paulo, SP) - Estreante na lista de Melhores Cartas de Vinho de São paulo, a carta desta casa de culinária espanhola faz a alegria dos apreciadores de bons vinhos. Ousada e criativa, exibe ótimas escolhas de vinhos rosados, e, como não poderia deixar de ser, uma impressionante seleção de rótulos espanhóis, de quase todas as regiões do país. Tem ótima oferta de vinhos de Jerez, com amplo leque de estilos da bebida. Varanda Grill (São Paulo, SP) - É caracterizada pelo equilíbrio e pela notável qualidade dos vinhos, em todos os estilos e faixas de preço. Muito bem organizada, possui informações precisas de cada um dos rótulos e excelente disponibilidade da bebida em tamanhos especiais, magnum e meias-garrafas - todas com padrão muito acima da média. A seção de vinhos doces é de tirar o  fôlego.
Visita a um dos restaurantes do Grupo Rubaiyat (São Paulo, SP) - A carta apresentada nos restaurantes do grupo - Baby Beef Rubaiyat, A Figueira Rubaiyat e Porto Rubaiyat - tem como marca principal a ampla oferta de vinhos de extraordinária qualidade, tanto do Novo quanto do Velho Mundo. Todos os estilos estão muito bem representados nesta lista cuidadosamente organizada e fácil de consultar. Fiel à origem dos proprietários da grife gastronômica, a carta dá tratamento elogiável às etiquetas espanholas. Por fim, um Jantar no D.O.M. (São Paulo, SP), com uma Carta de Vinhos concisa e quase cirúrgica, a lista mostra que não é preciso ter muitos rótulos para elaborar uma invejável lista de vinhos - bem harmonizados com a proposta gastronômica do restaurante. Uma novidade é a seção de biodinâmicos brancos e tintos, com ótimas opções de alta qualidade. A relação de vinhos doces é outro ponto forte. Não se esquecendo do Fasano (São Paulo, SP) - A seção italiana é o destaque da pequena e bem elaborada carta do melhor restaurante do Brasil, que lista vinhos de alta gama, selecionados entre os melhores produtores europeus. Recheada de nomes famosos, a lista também dá especial atenção aos rótulos franceses, em especial de Bordeaux e da Borgonha.  Com o status de maior de maior evento de vinho da América Latina, o ExpoVinis traz anualmente os principais produtores, de diferentes continentes, apresentando novas safras, rótulos e os mais esperados lançamentos do mercado, com as Atividades Paralelas: Top Ten; Degustações Premium e Rodada de Negócios. Valores em construção. INFORMAÇÕES, INSCRIÇÕES e RESERVAS: Na ZENITHE TRAVELCLUB Consultoria e Operadora de Experiências EnoGastronômicas. Belo Horizonte. TEL.: (31) 3225-7773. Contato: German Alarcon-Martin.

COMO FOI O RIO WINE AND FOOD FESTIVAL (RWFF) 2014



RIO WINE AND FOOD FESTIVAL (RWFF) - No domingo (21/09), o Rio Wine and Food Festival foi encerrado em grande estilo. O Leilão Beneficente de Vinhos, no hotel Fasano, arrecadou R$ 65 mil reais para o Solar Meninos de Luz. A semana agitada, contou com jantares harmonizados, degustações, incluindo provas de vinhos raros, promoções em lojas, bares, restaurantes, supermercados, entre outras atividades. Um deleite para os amantes de vinho e gastronomia. O RIO WINE AND FOOD FESTIVAL (RWFF), evento para os amantes de vinho e gastronomia, chegou ao fim depois de uma semana de muitas atividades. Durante os sete dias do festival, realizado entre 15 e 21 de setembro, da zona norte à zona sul, milhares de pessoas foram mobilizadas. Só a Feira Show, grande novidade de 2014, reuniu em um único dia 1.100 pessoas, 34 expositores e cerca de 500 rótulos de vinhos nacionais e estrangeiros. A semana, pioneira no Brasil, encerrou sua segunda edição com um Leilão Beneficente de Vinhos, no hotel Fasano, onde foram arrecadados R$ 65 mil reais.
            "Ver uma cidade do porte do Rio de Janeiro vivenciando e curtindo o nosso festival nos enche de alegria, foram diversas ações, começando num ícone carioca, o Copacabana Palace e terminando no não menos badalado hotel Fasano, desta vez numa ação beneficente, pois não vemos uma atividade como está sem a parte social. Mas o melhor foi ver a diversidade de ações e públicos impactados, foram dois dias de seminário na FGV, subimos o morro, circulamos pela cidade com o Wine Bus, convidando a população e turistas a provarem os vinhos do Brasil. Tive o prazer de ver gente degustando pela primeira vez e surpresa com o preço de alguns vinhos", diz Sergio Queiroz, produtor e idealizador do evento, ao lado de Marcelo Copello.
            A abertura no hotel Copacabana Palace, reuniu 220 convidados, na ocasião foi anunciado o melhor Sommelier do Ano. Thiago Roberto subiu ao palco do Golden Room para receber o prêmio das mãos de Nuno Belo, Cônsul Geral de Portugal e de Ricardo Farias, Presidente da ABS Rio. A acirrada competição foi realizada em parceria com a ABS Rio. Também foram anunciados os vencedores do Troféu Vinha Velha, a "Personalidade do Vinho no Brasil em 2014" coube a Carlos Cabral, consultor do grupo Pão de Açúcar e muitos anos dedicados ao mercado do vinho. Como "Produtor Brasileiro", Adriano Miolo; e como "Revelação MundoVinis", o enólogo e dirigente do Ibravin, Dirceu Scottá. Numa ação inédita, pela primeira vez na história os chefs do hotel trabalharam juntos, cada um assinando um dos pratos do menu, para proporcionar uma noite enogastronomica inesquecível aos convidados.
            O seminário Vinho & Mercado, realizado nos dias 16 e 17, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), com apoio do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) e da Associação Portuguesa de Cortiça (Apcor), contou com palestras e debates ricos em conteúdo, deixando o público entusiasmado com a ação. Um ponto foi comum nas palestras, a necessidade de tornar mais simples a comunicação do vinho, tornando a bebida de Baco mais acessível à todos. Os principais nomes do mercado produtor e importador debateram temas como marketing, vendas, tributação e e-commerce, na sede da instituição, em Botafogo. Entre os palestrantes, Susana Balbo, atual presidente da associação Wines of Argentina, Márcio Milan, vice-presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Diego Bertolini, do Ibravin, Adriano Miolo, presidente do grupo Miolo, e Rogério Salume, presidente do Wine.com.br, um dos maiores sites de venda de vinhos no mundo. Estes foram apenas alguns entre os 12 palestrantes dos dois dias do evento.
            O Clube Naval Piraquê, na Lagoa, recebeu no dia 18/09 a Feira Show, uma das grandes novidades na programação. Especialistas, amantes da bebida e curiosos, se reuniram em uma área de 1.200 m², com palestras, degustações, como a "Brasil de Guarda" e prova às cegas de espumantes "Brasil x resto do Mundo", em que o Estrelas do Brasil foi o grande vencedor. Os vinhos nacionais ganharam área exclusiva. Alguns dos melhores produtores apresentaram suas novidades, como Aurora, Miolo, Salton, Casa Valduga, Luis Argenta, Vila Francioni e Cave Geisse, apenas para citar alguns dos participantes. A ação contou com apoio do Ibravin e da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Rio Grande do Sul. A satisfação dos expositores e público era facilmente percebida.
            Durante a Feira Show, foi realizado o concurso de design de garrafas e rótulos. O Quinta da Pedra Alvarinho conseguiu um feito histórico, ficando em primeiro lugar nas duas categorias, sendo seguido por Vila Francioni Mundo Exterior e Aurora Chardonnay Pinto Bandeira, no concurso de design de rótulos; e Luiz Argenta Riesling e Luiz Argenta Jovem Rosé, no design de garrafas.
            O movimento “Rio Rolha Zero” não poderia faltar e este ano contou com a adesão de mais de uma centena de estabelecimentos. Os clientes não pagaram taxa de rolha ao levarem vinhos aos restaurantes parceiros durante a semana do festival. Alguns estabelecimentos foram além, oferecendo promoções e degustações, entre eles o Porcão. Outra ação inédita foi Rolha Viva, iniciativa da organização do RWFF para a reciclagem de rolhas através da ONG ADERE, que transformará o material em peças de artesanato. Esta ação contou com o apoio da Apcor.
            O cenário estonteante da cidade do Rio de Janeiro serviu de fundo para o Wine Bus. O ônibus percorreu os principais pontos turístico cariocas, convidando passageiros a uma viagem de sabores. A alternativa de transporte coletivo e consciente ofereceu aos amantes do vinho, além do tour, uma degustação gratuita de rótulos nacionais. A ação teve apoio da Fetranspor. No sábado (20/09), uma das paradas do Wine Bus foi no CADEG, outro já consagrado participante do festival, que este ano ofereceu um show de jazz e várias degustações, como a de Vinhos Verdes de Portugal.   
            “O CADEG já é uma parada obrigatória e lá também vimos o carinho dos lojistas e frequentadores com o RWFF e muitos restaurantes como os banners do Rio Rolha Zero. Não dá para contar tudo, a semana foi simplesmente sensacional", exalta Sergio Queiroz.
A semana agitada, ainda contou com jantares harmonizados, degustações, incluindo provas de vinhos raros, promoções em lojas, bares, restaurantes e supermercados. Destaque para a Degustação de Porto Raros, que contou com vinhos de safras antigas como 1938 e 1941 e até do século XIX.  O Porto Jubileu, degustado nesta prova, é composto majoritariamente pela safra de 1867, a safra mais antiga existente em barricas. Em outra das provas especiais da semana, a Degustação Triplice Exellence, apresentada pelo criador do grupo O. Fournier, José Manuel Ortega, os convivas puderam testar vinhos das três vinícolas da empresa, com sedes na Argentina, Chile e Espanha, incluindo algumas das garrafas da adega pessoal do proprietário.
            O RWFF não para por aí. No dia 2 de novembro, ainda como parte da programação do festival, acontece a Grande Prova Vinhos do Brasil, que será publicada no Anuário Vinhos do Brasil. O evento promete reunir na cidade maravilhosa cerca de 1,5 mil garrafas de vinhos brasileiros avaliadas às cegas por um grande júri.
● Vinhos nacionais são destaque - Durante o RWFF, os rótulos brasileiros tiveram lugar de destaque. A grande participação de expositores na Feira Show e no seminário Vinho & Mercado, ambos apoiados pelo Ibravin, comprovam que o produto está ganhando cada vez mais espaço. Vinhos brasileiros antigos, foram os protagonistas da degustação Brasil de Guarda. Outros foram destaque no concurso de design de garrafas e rótulos. Além disso, houve presença de marcas nacionais em várias atividades do evento, desde o jantar de abertura, no Copacabana Palace, até as garrafas servidas dentro do Wine Bus ou os servidos e leiloados no hotel Fasano.
O Estrelas do Brasil Brut Champenoise, levou a melhor em uma prova às cegas surpreendente entre espumantes nacionais contra de outros países, incluindo champanhe, cavas, proseccos, argentinos e chilenos. Foram 26 "jurados", entre enólogos, sommeliers e enófilos. Nomes como Adriano Miolo, diretor do grupo Miolo, Dirceu Scottá, vice-presidente do Ibravin, Duda Zagari, importador carioca, João Carlos Callas, importador de São Paulo, o enoviajante, Horácio de Barros, e Roberto Rodrigues, diretor da ABS Rio e especialista em espumantes estavam presentes. O rótulo produzido no sul do país foi escolhido quase que por unanimidade.
            Já a degustação Brasil de Guarda, apresentou vinhos brasileiros de 10 a 40 anos de idade. O objetivo era atestar que o Brasil tem vinhos de qualidade e já com idade avançada, algo ainda desconhecido por grande parte da população. "Provar vinhos brasileiros feitos nas décadas de 1970, 1980 e 1990, em perfeito estado é não apenas emocionante e didático, mas também certeza de que nossos vinhos têm qualidade e potencial de envelhecimento" comenta Marcelo Copello.
● Leilão de Vinhos Beneficente - O encerramento do Rio Wine and Food Festival, foi no hotel Fasano, com a realização do Leilão de Vinhos Beneficente. Um selecionado grupo de 60 pessoas prestigiou a noite beneficente, em prol do Solar Meninos de Luz, instituição filantrópica fundada por Iolanda Maltaroli e de Moraes Rego há 30 anos. Com 50 lotes leiloados, por Adilson Rachid, foram arrecadados R$ 65 mil reais. Destaque para o Chateau Margaux 1989, de seis litros, doado pelo marchand Jones Bergamin, o Peninha, e Marcelo Copello. A garrafa foi arrematada por R$ 21 mil reais. Peninha, que não pode comparecer, ligou e convenceu o comprador a lhe revender por R$ 27 mil reais. Todo o dinheiro foi imediatamente revertido para o Solar Meninos de Luz. Nossos parabéns por toda a realização do Rio Wine and Food Festival.