quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Marrakech - Culinaria - GrupoZênithe -AndalusíMarrocos - Enogastronomia - VAGAS LIMITADAS


Marrakech - Culinaria - GrupoZênithe -AndalusíMarrocos VagasLimitadas / Enogastronomia

É na famosa praça DJEMAA EL-FNA que se espalha o grande mercado central, o SOUK. A primeira visão impressiona e até dá um pouco de medo… são milhares de homens em roupas típicas e mulheres de véu da cabeça aos pés; músicos com macacos, encantadores de cobras, vendedores de tâmaras, azeitonas, doces típicos, carros e charretes que vão de um lado para outro.

O Souk se perde por um emaranhado de ruelas onde se vende de tudo. O cheiro de especiarias domina o ar e as lojas oferecem de frutas secas a víveres, passando por tapetes, cristais, cerâmica fina e joias. Em algumas partes do mercado pode-se ver os artesãos trabalhando com metalurgia ou pintura.

Deslumbre-se: http://zenithetravelclub.blogspot.com.br/2014/02/enogastro-marrocos-e-andalusi-mai-2014.html

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

VINHOS E CARNAVAL


VINHOS E CARNAVAL ” – As origens do carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações da humanidade, tais como as Festas Egípcias que homenageavam a deusa Isis e o Touro Apis. Há quem diga que as primeiras manifestações ocorreram na Roma dos Césares, as saturnálias, de caráter orgíaco. Contudo, Momo é uma das formas de Dionísio — o deus Baco, patrono do vinho e do seu cultivo, e isto recua a origem do carnaval para a Grécia arcaica. Os gregos festejavam com grandiosidade nas Festas Lupercais e Saturnais a celebração da volta da primavera, que simbolizava o Renascer da Natureza.
Personagem conhecido da mitologia grega, Dionísio - o deus do vinho, segundo a lenda, ficou curioso sobre uma vinha que ficava próxima de onde vivia e espremeu as uvas dali, descobrindo a arte de fazer vinho. Depois disso, ele procurava ensinar a todos como produzir a bebida.
Assim sendo, Dionísio viajou durante muito tempo ensinando aos homens como fazer vinho, até que voltou à sua cidade natal e passou a promover o culto a si mesmo. Essas comemorações foram o princípio do que se conhece hoje como Carnaval. A festa já existia, celebrando de certa forma a fertilidade do solo e a celebração das colheitas, mas foi Dionísio quem a modificou e a tornou conhecida, transformando a tradição em algo de grandes proporções.
Sempre uma forma de comemorar, com muita alegria e desenvoltura, os atos de alimentar-se e beber, elementos indispensáveis à vida.
Com o nome de Carnaval, a festa surgiu, no século XI, com a implantação da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse período de privações acabaria por incentivar a realização de festas nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas. A palavra "carnaval" estaria relacionada com a idéia de "afastamento" dos prazeres da carne marcado pela expressão "carne vale", que, acabou por formar a palavra "carnaval".
Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, os dias de Carnaval são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, em francês: Mardi Gras).
No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os bailes de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos e progressivamente a festa foi tomando o formato atual.
O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro se inspirariam no Carnaval parisiense para criar suas festas carnavalescas (quem diria ?).
No Brasil, o entrudo, importado da Ilha dos Açores, Ilha da Madeira e Cabo Verde, foi o precursor do carnaval. Grosseiro, violento, imundo, constituiu a forma mais generalizada de brincar no período colonial e monárquico, e também a mais popular. Consistia em lançar, sobre os outros foliões, baldes de água, esguichos de bisnagas e limões-de-cheiro (feitos de cêra), pó de cal (que podia cegar as pessoas atingidas), vinagre, groselha ou vinho e até outros líquidos que estragavam roupas e sujavam ou tornavam mal-cheirosas as vítimas. Foi livre até o aparecimento do lança-perfume, já no século XX, assim como do confete e da serpentina, trazidos da Europa.
Atualmente, o prestígio alcançado pelos desfiles de carnaval, no Rio de Janeiro e em São Paulo, além de outras cidades brasileiras, e a disseminação das chamadas micaretas trouxeram novas formas ao evento. Alguns críticos dizem que o sentido popular da festa perdeu lugar.
Não sou Mangueira, mas minha dica é brindar o Carnaval em Verde e Rosa. Ambos bem gelados e refrescantes, farão o papel de abre-alas.
Saboreie por exemplo: o Quinta da Aveleda Colheita Selecionada, Portal do Fidalgo, Quinta de Linhares Azal, entre os verdes. E para os rosados: Viñas del Vero Rosado, Quinta da Lagoalva, Paço do Teixeiró Rosado, Cote-du-Rhône Parallele 45 Rosé, Kankura, Rose Malbec Finca La Linda, Rose Crescendo Altas Quintas, Rose Terra Amata Domaine Sorin, Rose Tempranillo Artero, Artero Rosé, Gran Feudo de Julian Chivite (excelente parceiro para Paellas) e Valdelosfrailles. 
E claro, sendo época de celebrar alegria, a oportunidade também cai como luva para você saborear espumantes. Afinal, quem disse que vinho não rima com alegria, confete e serpentina ?

PARA GUARDAR OS SEUS VINHOS, VOCÊ NÃO DEVE ESQUECER DE



PARA GUARDAR OS SEUS VINHOS, VOCÊ NÃO DEVE ESQUECER DE:
■ Identificar, sempre que comprar um vinho, se ele tem potencial de envelhecimento ou se, pelo contrário, favorece um consumo quase imediato; neste caso, o melhor é bebê-lo.
■ O cuidado com o acondicionamento, mantendo os vinhos em condições adequadas de temperatura (nunca superior aos 16º) e de luminosidade (evitar a exposição direta à luz);
■ Colocar as garrafas deitadas (para o vinho permanecer em contato permanente com a rolha);
■ Verificar, periodicamente, se a rolha continua a desempenhar bem o papel de vedante ou se apresenta sinais de deterioração;
■ Evitar mexer, durante o repouso do vinho, várias vezes a garrafa;
■ Estar atento à evolução do vinho em garrafa. Ao notar que apresenta sinais nítidos de evolução (cor, depósito, etc.), será preferível bebê-lo.

GELADEIRA PODE PROLONGAR VIDA ÚTIL DE ESPUMANTES



GELADEIRA PODE PROLONGAR VIDA ÚTIL DE ESPUMANTES - Estudo contraria crença geral e mostra que espumantes armazenados a temperaturas mais baixas do que as das adegas convencionais têm maior durabilidade. Um estudo publicado American Chemical Society’s Journal of Agricultural and Food Chemistry afirma que temperaturas mais baixas podem prolongar a vida útil dos os espumantes e diminuir a probabilidade de formação do composto responsável pelo escurecimento da bebida, conhecido como 5-HMF.
            O composto, conhecido cientificamente como Hidroximetilfurfural, funciona como um indicador de aquecimento, proveniente da transformação dos monossacarídeos como frutose e glicose. O 5-HMF pode ter seu processo de evolução acelerado em virtude do calor, da mudança de Ph e do envelhecimento de alguns alimentos e bebidas.
            Por essa razão, a descoberta científica vai contra as normas de armazenamento de bebidas espumantes, que diz que as mesmas devem ser guardadas em ambientes como porões e adegas a 16°C. A pesquisa sugere que as bebidas sejam estocadas em geladeiras com temperaturas a 4°C.
            O estudo analisou os níveis de Hidroximetilfurfural em várias garrafas de espumantes armazenados a mais de dois anos em adegas, geladeiras e ambientes abertos. O resultado, como citado antes, foi a constatação de que os espumantes armazenados em geladeiras e frigoríficos inibiram o desenvolvimento do 5-HMF, e consequententemente,  ampliaram sua durabilidade mantendo o frescor. (Fonte – Revista ADEGA – 20/02/2014).

LISTA APONTA OS MELHORES VINHOS SERVIDOS POR COMPANHIAS AÉREAS



● LISTA APONTA OS MELHORES VINHOS SERVIDOS POR COMPANHIAS AÉREAS - A revista inglesa Business Traveller elegeu as companhias que oferecem os melhores vinhos a seus passageiros. Empresa Qantas ganhou as principais categorias. Brasileira TAM foi mencionada - Qantas foi a melhor nas principais categorias - Hoje em dia, oferecer bons vinhos nas cartas de empresas aéreas está se tornando um negócio cada vez mais competitivo. Por isso, as companhias aéreas chegam a gastar milhões de dólares a cada ano para aprimorar seu cardápio de bebidas. Nesse sentido, a revista inglesa Business Traveller criou um ranking que nomeia as empresas de acordo com o esforço realizado por elas em oferecer uma variedade mais refinada de vinhos.
            Neste ano, empresa aérea Qantas liderou o quadro de medalhas ganhando os prêmios de Melhor Adega de Primeira Classe, Melhor Adega de Vinho em Geral e Adegas de Classe Executiva. Além disso, a companhia, que é apelidada de “The Flying Kangaroo”, também serve os melhores vinhos espumantes e brancos para a primeira classe.
            Além da The Flying Kangaroo, duas companhias também foram premiadas. A empresa Emirates conquistou duas medalhas de ouro pelo melhor vinho tinto servido na primeira classe e pelo melhor vinho de sobremesa servido na classe executiva. Já a empresa de Taiwan, Eva Air, foi homenageada por ter os melhores vinhos brancos e espumantes servidos na classe empresarial.
            A empresa brasileira TAM foi mencionada na lista, aparecendo em terceiro lugar como o melhor vinhos de sobremesa servido na Primeira Classe. Abaixo, a lista completa dos vencedores:
Melhor Adega de Vinho em Geral: 1º Qantas; 2º Emirates; 3° (JOINT) El-Al, Cathay Pacific;
Melhor Vinho Tinto de Primeira Classe: 1º Emirates. Vinho servido: 2005 Clarendon Hills Shiraz, McLaren Valley, Austrália; 2º British Airways. Vinho servido: 2007 Napanook, Napa Valley, Califórnia, EUA; 3º Emirates. Vinho servido: 2000 Château Cos d' Estournel, Saint – Estèphe, Bordeaux, França;
Melhor Vinho Branco de Primeira Classe: 1º Qantas. Vinho servido: 2009 Leeuwin Estate Art Series Chardonnay, Margaret River, Austrália; 2° TAM Linhas Aéreas. Vinho servido: 2009 Dr Bürklin -Wolf Pechstein Grand Cru, Pfalz, Alemanha; 3° (JOINT) El-Al. Vinho servido: 2012 Yarden Viognier, Colinas de Golã, Galilee, Israel; E Malaysia Airlines. Vinho servido: 2011 Fritz Haag Brauneberger Juffer Sonnenuhr Riesling Spätlese, Mosel, Alemanha;
Melhor Espumante de Primeira Classe: 1º Qantas. Vinho servido: 2000 Taittinger Comtes de Champagne, Bordeaux, França; 2º (JOINT) Korean Air. Vinho servido: 1998 Laurent- Perrier Alexandra Rosé, Champagne, França; 3º American Airlines. Vinho servido: Gosset Grande Réserve NV, Champagne, França; E Singapore Airlines. Vinho servido: 2004 Dom Pérignon, Champagne, França;
 Melhor Vinho de Sobremesa de Primeira Classe: 1° El- Al. Vinho servido: 2011 Yarden Heights Gewurztraminer Late Harvest, Colinas de Golã, Glilee, Israel; 2º Qantas. Vinho servido: Seppeltsfield Paramount Rare Tokay NV, Austrália; 3° (JOINT) All Nippon Airways. Vinho servido: W. & J. Graham 30 Year-Old Tawny Port, Portugal; E TAM Linhas Aéreas. Vinho servido: 2005 Croft Late Bottled Vintage Port, Portugal;
Melhor Adega de Primeira Classe: 1° Qantas; 2º All Nippon Airways; 3° British Airways;
Melhor Carta de Vinho de Primeira Classe: 1° Qatar Airways; 2° Qantas; 3° Singapore Airlines;
Melhor tinto da Classe Executiva: 1° Cathay Pacific. Vinho servido: 2008 Murray Street White Label Barossa Shiraz, Austrália; 2° Qantas. Vinho servido: 2011 de Melhor Great Western Bin Um Shiraz, Victoria, Austrália; 3° (JOINT) Etihad Airways. Vinho servido: 2010 Jim Barry The Lodge Colina Shiraz, Clare Valley, Austrália; E Finnair. Vinho servido: 2012 Atteca Vieilles Vignes, Calatayud, Espanha;
Melhor Vinho Branco da Classe Executiva: 1° Eva Air. Vinho servido: 2010 Vincent Girardin Chassagne- Montrachet Vieilles Vignes, Borgonha, França; 2º Cathay Pacific. Vinho servido: 2009 Taylors Chardonnay, Clare Valley, Austrália; 3° Air Canada. Vinho servido: 2013 Peter Yealands Sauvignon Blanc, Malborough, Nova Zelândia;
Melhor Espumante da Classe Executiva: 1° Eva Air. Vinho servido: 2004 Dom Pérignon, Champagne, França; 2° (JOINT) All Nippon Airways, Qantas e Singapore Airlines. Ambas com o mesmo vinho servido: NV Charles Heidsieck Brut Reserve, Champagne, França; E Emirates. Vinho servido: 2004 Veuve Clicquot, Champagne, França; 3° American Airlines. Vinho servido: 2008 Moutard, Champagne, França;
Melhor Vinho de Sobremesa da Classe Executiva: 1° Emirates. Vinho servido: Graham's 20 Year-Old Tawny Port, Portugal; 2° Qantas. Vinho servido: 2008 Lillypilly Noble Mistura Family Reserve, New South Wales, Austrália; 3° Austrian Airlines. Vinho servido: 2010 Kracher Cuvée Beerenauslese, Neusiedlersee, Áustria;
Melhor Adega da Classe Executiva: 1° Qantas; 2° Etihad Airways; 3° Cathay Pacific;
Melhor Carta de Vinho da Classe Executiva: 1° Air New Zealand; 2° Qatar Airways; 3° Finnair;
Melhor Aliança de Companhias Aéreas para o vinho: Oneworld;. (Fonte – Revista ADEGA – 21/02/2014).

Vinho da Semana 07/2014 – ● ALIOTTO 2009

Vinho da Semana 07/2014 ALIOTTO 2009 – Há amigos que sugerem uma prova de vinhos e esta oportunidade se torna uma grande surpresa ! Na busca de oferecer vinhos com excelente relação custo x benefício, o Aliotto se sai muito bem, ainda mais se você levar em conta a promoção da Enoteca Decanter, na qual a segunda garrafa comprada em conjunto sai por metade do preço. Aliás, vale a pena, pois o vinho evapora fácil na taça ! O Aliotto é produzido pela Tenuta Podernovo na Toscana, em Terricciola, uma pequena e simpática cidade nos entornos de Pisa. A vinícola é propriedade da Família Lunelli que produz o espumante Ferrari, considerado por muitos o melhor espumante da Itália.
            O ALIOTTO é um corte de Sangiovese(60%) e o restante(40%) é composto de Cabernet Sauvignon, Merlot e uvas locais. Passa um ano em barricas de carvalho francês e mais 4 meses descansando em garrafa. Um vinho com conceito de “supertoscano”, mais acessível em boca e bolso, que apesar de ter na sua composição considerável porcentagem de uvas estrangeiras, tem personalidade toscana. Na taça é rubi, com discreto halo nas bordas. Na boca e no nariz tem o mesmo perfil, com notas de fruta negra (cereja e ameixas) agregadas a toques de violeta, couro e ervas, com boa intensidade, e evoluindo bastante durante o tempo na taça. O bom ataque do vinho vai ficando macio, acidez gostosa, bom equilíbrio, com uma qualidade justa para o seu valor. Bom final de boca, com boa persistência, recomemdado para acompanhar comida, ainda mais se for italiana. Preço: R$ 77,00 a primeira garrafa – a segunda garrafa sai com desconto de 50%. Importado pela DECANTER. Enoteca Decanter - Rua Fernandes Tourinho, 503 – Funcionários – Belo Horizonte / MG. Telefone: (31) 3287-3618.