quinta-feira, 17 de maio de 2012

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

PARTICIPANTES AVALIANDO VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA - CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA, DEGUSTADOS NO CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

VINHOS DE BORDEAUX - MARGEM DIREITA, DEGUSTADOS NO CURSO AVANÇADO DA SBAV-MG

CHATEAU LAGRANGE SAINT-JULIEN 2007

CHATEAU LAGRANGE SAINT-JULIEN 2007

Eleito um "Grand Cru Classé" na classificação de 1855, o Château Lagrange já abrigou a ordem dos cavaleiros templários na idade média. É sempre um dos mais elegantes e clássicos vinhos de Saint Julien.

O estilo prima pela finesse, sem fazer concessões ao modismo dos vinhos superconcentrados. Esta histórica propriedade foi adquirida nos anos 1980 pelo grupo japonês Suntory, que não poupou esforços para colocar o Château de volta à glória dos tempos áureos.
A propriedade conta com vinhedos de excepcional localização, incluindo o ponto mais alto de toda a comuna de St Julien. Jancis Robinson aponta o segundo vinho do Château Lagrange como um dos grandes achados de Bordeaux por sua excepcional relação qualidade/ preço.

O perfeccionismo adotado pelo Château faz com que parcelas de vinhas de mais de 20 anos sejam consideradas "jovens demais" para entrarem no "grand vin", que representa menos da metade dos vinhos produzidos. "Belíssimo, ultra-sedoso e super equilibrado" para a Wine Spectator, é sempre um dos mais respeitados vinhos de Médoc.

Notas de degustação: Possui uma cor rubi escuro, profunda. Aromas de frutas vermelhas (framboesa, groselha) e frutas negras como a cereja madura, complementados por notas florais, perfume e notas de farmácia. Toques de cedro, chocolate amargo e tabaco. Boca com ataque elegante, os taninos macios suportam a estrutura do vinho. Fresco em boca, saboroso e persistente. Seus taninos estão presentes, macios, educados. Vinho marcado pela fineza e equilíbrio, possuindo um bom potencial de guarda, pois em nada revela evolução.

Harmonização: carnes vermelhas com molhos à base de vinho e ervas, lombo de cordeiro assado e queijos maduros.

Obteve Nota Mediana de 92/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e 8 votos como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: MISTRAL
Contato: (31) 3115-2100  e (11) 2574-8303.
Quanto: R$ 411,33.

CHATEAU REIGNAC 2006

As degustações às cegas sempre surpreendem. O Reignac vem mostrando, ao longo de provas, que tem qualidade e consistência para ser tão bom quanto os caríssimos Bordeaux de "primeira linha". Quando tomamos um vinho conhecendo sua história, a maneira como foi produzido, idade das vinhas, etc. somos influenciados, e isso torna o vinho, muitas vezes, melhor do que ele é. Às cegas, apenas o conhecimento e o gosto influenciam no resultado.

A degustação de vinhos de Bordeaux confirma que, muitas vezes quem vai gastar fortunas em um rótulo famoso, paga 80% em status e exibicionismo.

O Chateau Reignac está localizado em uma colina na confluência de ''Entre Deux Mers”, que apresenta uma característica rara, reunindo os melhores solos da margem direita (argila calcária) e esquerda (argiloso cascalho) na mesma propriedade. Ele está localizado na zona oeste do ''Entre-Deux-Mers” ao sul da cidade de Saint-Loubès, num terreno variando entre 43 m e 22 metros acima do nível do Rio. Em 2000 o vinho recebe 92 pontos numa avaliação de Robert Parker e começa a ganhar notoriedade.

Em 13 dezembro de 2011 um Grande Júri Europeu para vinhos avaliou numa degustação às cegas os vinhos Balthus do Chateau Reignac entre outros três Grand Crus, e outros vinhos de grande fama e qualidade internacionalmente reconhecidos: Cheval Blanc, Lafite -Rothschild e Petrus.

Esta prova de certa forma repetia uma prova às cegas realizada em 2009, na qual o Chateau Reignac foi provado às cegas entre outros grandes vinhos de Bordeaux, na safra de 2001, numa comparação entre vinhos de “Grands Artisans” e “Grands Chateaux”. O resultado foi: 1º - Chateau Ângelus (152,13 euros). 2º- Chateau Reignac (14 euros). 3º- Chateau Lafite Rothschild (209,18 euros). 4º- Chateau Latour (418,36 euros). 5º- Chateau Ausone (747,98 euros). 6º- Chateau Mouton Rothschild (209,18 euros). 7º- La Mission de Haut-Brion (117,93 euros). 8º- Chateau Petrus (1521,31 euros). 9º- Chateau Haut- Brion (253,55 euros). 10º- Chateau Margaux (275,57 euros). 11º - Cheval Blanc (316,47 euros). O importante é que na época o Chateau Reignac custava 14 euros na prateleira e bateu vinhos que custavam muito mais que ele. A degustação foi acompanhada por um oficial de justiça desde a compra dos vinhos, a organização em si da prova, o evento e a apuração das notas de cada provador.

O resultado da prova foi criticado por muitos enófilos e jornalistas, por conta de negar a noção de classificação dos grandes vinhos degustados. Para muitos deles, mesmo quando se leva em conta a noção de prazer, a "drinkability" dos vinhos, o equilíbrio e complexidade dos vinhos provados, a fama dos grandes rótulos tem seu peso em história e tradição.

Afinal, os vinhos provados foram produzidos em regiões vizinhas, com mesmas uvas, embora em proporções diferentes. A noção de terroir faz muito sentido para os franceses e neste aspecto, aporta complexidade. O resultado da prova mostrou que, contando com solos adequados, trabalhando com foco em qualidade, adaptando a forma de trabalhar, pode-se alcançar a excelência de um Petrus ou um Cheval Blanc.

Corte:  Merlot 70%, Cabernet Sauvignon 25% e Cabernet Franc 5%.

Vinificação: Barricas novas, durante 19 meses. Todos os produtos do Reignac são supervisionados pelo enólogo Michel Rolland, mundialmente conhecido.

Notas de degustação: Cor rubi viva, escura. Aroma com explosão de fruta escura madura (sem excesso). Depois aparecem notas de especiarias como baunilha, pimenta-do-reino, cravo, canela, notas de chocolate e defumado. O paladar repete de forma maravilhosa o perfil aromático, com uma bela acidez fresca, e bela textura com taninos macios. Muito equilibrado, harmonioso, um vinho de boa concentração, corpo médio, rico. O fim de boca, além de persistente, confirma elegância e harmoniza.

Harmonização: Carnes vermelhas de todos os tipos, pato, caças em geral, massas com molhos intensos.

Reconhecimentos de críticos – 90 Pontos em 40 avaliações.
Obteve Nota Mediana de 94/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 10 votos como Melhor da Noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: GRAND CRU
Contato: (31) 3286-2796 ou 2555-7055.
Quanto: R$ 199,00

CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2007, 2008 e 2009


CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2007

Notas de degustação: cor rubi de boa intensidade. No nariz apresenta aromas de café, frutas vermelhas, especiarias como baunilha, cravo e pimenta. Presentes, macios, boa acidez. Bom balanço e complexidade. Corpo médio. O vinho é acessível desde jovem, mas vale a pena guardar por algum tempo, pois vai se desenvolver por médio prazo (5 a 8 anos).

Harmonização: Carnes vermelhas de todos os tipos, pato, caças em geral, massas com molhos intensos.

Reconhecimentos de críticos – 86-88 Roger Voss. 84WS.
Obteve Nota Mediana de 89/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso.

CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2008

Notas de degustação: cor rubi viva e profunda. O aroma de fruta é bastante restrito no começo, como que vindo em camadas, uma mistura de frutos escuros, coberta com uma camada baunilha de carvalho, nota de chocolate amargo no final e tabaco. Na boca, mostra taninos vivos, perceptíveis, sem perturbar a degustação, boa acidez, num vinho ainda jovem, que tem bom potencial para o futuro. Corpo médio. Após algum tempo na taça, o vinho abriu e melhor ou muito.

Harmonização: Carnes vermelhas de todos os tipos, pato, caças em geral, massas com molhos intensos.

Reconhecimentos de críticos – 88-90RP.  88WE
Obteve Nota Mediana de 90/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 4 votos como Melhor da Noite.

CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2009

Notas de degustação: Cor rubi viva e muito escura. Aroma contido inicialmente. Depois aparecem notas de fruta, especiaria, baunilha e pimenta-do-reino. O paladar repete o perfil aromático, com frutas mais definidas, maduras sem chegar a compota, acidez fresca, e uma mistura de taninos macios. Atraente, equilibrado, harmonioso, concentrado, rico, com belo equilíbrio. O fim de boca, além de persistente, apresenta elegância e bela harmonia

Harmonização: Carnes vermelhas de todos os tipos, pato, caças em geral, massas com molhos intensos.

Reconhecimentos de críticos – 89 WE.
Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 4 votos como Melhor da Noite.
Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: PREMIUM
Contato: (31) 3282-1588.

CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2007

CHATEAU TEYSSIER SAINT-EMILION GRAND CRU 2007
Jonathan Maltus, ou “The Englishman”, é um “estrangeiro” em Bordeaux e não faz, portanto, parte da ‘Bordeauxcracia’, ironia utilizada para rotular os “aristocratas” que há séculos produzem alguns dos grandes vinhos na região.

Ingressou na produção de vinhos após adquirir o Château Teyssier, em Saint-Émilion, em 1994, propriedade de longa história mas então produzindo vinhos com qualidade abaixo de seu potencial.  Reformou vinhedos e instalações. Adquiriu diversos pequenos vinhedos em locais privilegiados da denominação, construiu uma vinícola state-of-the-art e passou a produzir uma gama invejável que chega ao mais alto nível da região com o fantástico Le Dôme.
Renovação em todos os sentidos - sede, vinhedo, vinícola, cave e o posicionamento fundamental de como fazer vinhos significa que o Château Teyssier é amplamente visto como um vinho de uma nova corrente, uma nova geração de Saint-Émilion.

 O Château Teyssier é um Grand Cru de Saint-Émilion com história desde 1700. Jonathan Maltus comprou a propriedade em 1994, com  o vinhedo de 5,5 hectares na comunidade de Vignonet, na planície de Saint-Émilion. O edifício principal de estilo Napoleônico foi totalmente reformado e também reconstruído e ali estão a vinícola, a cave, o engarrafamento e depósito. Ele mora no Chateau com sua família. Hoje os vinhedos se estendem por 50 hectares, com boa parte em Crus Classés.

Seus vinhos têm elegância, concentração, intensidade e equilíbrio, além de rótulos modernos e de muito charme.

Corte: Merlot 70% e Cab. Franc 30%.
Vinhedos: O Château Teyssier é produzido com uvas de 7 vinhedos, num total de 20,5 hectares: Teyssier (Vignonet, Merlot/Cabernet Franc, 1956, 4.90 hectares) / Labrie (Vignonet, Merlot, 1980, 1.40 hectares) / Pezat (Vignonet, Merlot/Cabernet Franc, 1970, 2.40 hectares) / Rouchonne (Vignonet, Merlot, 1956, 1.50 hectares) / Cuyon (Saint Sulpice, Merlot/Cabernet Franc, 1976, 4.40 hectares) / Largenbeau (Saint Sulpice, Merlot/Cabernet Franc, 1965, 2.70 hectares) / Jonc (Saint Sulpice, Merlot, 1967, 3.20 hectares). Todas essas parcelas estão no coração da apelação Saint-Émilion. Os solos variam de arenosos sobre `crasse de fer´(pedregulho de minério de ferro) em diferentes profundidades a um mescla de areia e seixos nas localizadas em Saint-Sulpice. Algumas parcelas em Vignonet possuem argila.

Vinificação: As videiras são dirigidas no sistema double Guyot. Os galhos secundários são removidos e duas podas verdes são feitas para garantir baixos rendimentos. A colheita é feita à mão em pequenas bandejas. As uvas chegam à vinícola e passam por um duplo sistema de seleção. Toda a movimentação é feita por esteiras rolantes. Dessa forma, as uvas que chegam aos tanques de aço inox com temperatura controlada constituem uma excelente matéria prima.
            É feita uma maceração pré-fermentação sob gás em baixa temperatura, depois acontece a fermentação em temperatura relativamente alta. Após a fermentação primária o vinho é trabalhado com revolvimento (pigeage) e remontagem.
            A fermentação malolática é feita em barricas novas de carvalho francês e em tonéis de madeira. Revolvimento (bâttonnage) e reinjeção de borras é feito durante 6 meses. Apenas 1% do vinho é maturado em barricas de carvalho francês por cerca de 12 meses, dependendo da safra. A produção anual é de 8.500 a 12.000 caixas. A primeira safra deste vinho foi 1869 e a primeira safra produzida pela nova equipe foi 1994..

Notas de degustação: cor rubi de boa intensidade. No nariz apresenta aromas de café, frutas vermelhas, especiarias como baunilha, cravo e pimenta. Presentes, macios, boa acidez. Bom balanço e complexidade. Corpo médio. O vinho é acessível desde jovem, mas vale a pena guardar por algum tempo, pois vai se desenvolver por médio prazo (5 a 8 anos).

Harmonização: Carnes vermelhas de todos os tipos, pato, caças em geral, massas com molhos intensos.

Reconhecimentos de críticos – 86-88 Roger Voss. 84WS.
Obteve Nota Mediana de 89/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: PREMIUM
Contato: (31) 3282-1588.

CHATEAU CONDAT 2005

CHATEAU CONDAT 2005

Corte: Merlot (70%), Cabernet Franc(15%) e Cabernet Sauvignon (15%).
Vinhedos: situados aos pés do Castelo de Condat - construído pelo Duque de Gasconha, no século XVIII. Terreno argiloso, característico dos solos do antigo massiço central. Destaque para a excepcional safra de 2005 em Bordeaux.
Vinificação: a densidade de plantação é de 7.800 vinhas/hectare, permitindo melhor ocupação do solo e menor rendimento por vinha num total de 9.5 hectares plantados. Todos as videiras são plantadas no sentido norte-sul, oferecendo melhor exposição das uvas ao sol. Idade média de 25 anos. Pigeage manual. Fermentado em cuba de aço inox de pequena capacidade, termo- regulada, realizado por gravidade.

Notas de degustação: cor rubi intenso. No nariz apresenta aromas de carvalho, frutas vermelhas, frutas silvestres, especiarias como cravo e pimenta.
Taninos firmes, boa acidez. Frescor e balanço bastante refinados. Boa complexidade num vinho de corpo médio.

Harmonização: Perfeito para ser degustado com uma cozinha não muito complexa, frios, quiches, patê de carne e terrines de fígado de ave.

Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 4 votos como Melhor da Noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: BLANC DE NOIR
Contato: (31) 2531-5252.
Quanto: R$ 193,86

RELAIS DU MARQUIS 2008 - MARGAUX

RELAIS DU MARQUIS 2008 - MARGAUX

Colocado para avaliar às cegas as diferenças entre ME e MD.

Corte : Cabernet Sauvignon (80%), Merlot (15%), Petit Verdot (5%).
Vinhedos: bem no coração de Margaux, com 8 hectares de videiras com idade média de 35 anos.
Vinificação: feita em tanques de aço inoxidável e a fermentação malolática feita em barris. Maceração é feita em barricas de carvalho francês durante 18 meses.

Notas de degustação: O vinho apresenta uma cor vermelho escura com aromas intenso e potente de café (moca, à moda italiana). Depois aparecem as camadas com especiarias (baunilha). No paladar, o vinho repete o perfil aromático. Boa persistência.

Harmonização: Perfeito para ser degustado com comidas ricas em gordura como carnes vermelhas assadas com molhos suntuosos.

Obteve Nota Mediana de 89/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 2 votos como Melhor da Noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: BLANC DE NOIR
Contato: (31) 2531-5252.
Quanto: R$ 181,62

CHATEAU LOUSTENAUF 2008

CHATEAU LOUSTENAUF 2008
Nariz muito atraente, boa acidez, fácil de beber, com vivacidade e elegância. Diz bem o que é um Bordeaux para agradar rápido e pode ser usado acompanhando pratos leves, ou só para bebericar.

Vinhedos: idade média de 45 anos, situados na estrada velha entre Saint-Emilion e Libourne. Solo composto por cascalho e areia.

Vinificação: Fermentação em cuba de aço inox de pequena capacidade, termo-regulada, por gravidade e envelhecimento em barris de carvalho francês.
Algo raro em Bordeaux: 100% Merlot.

Notas de degustação: vinho de cor vermelha rubi com reflexos ferrugem na borda, nariz muito frutado, de frutas vermelhas e maduras (notas de ameixa e cereja madura), pimenta do reino e cogumelos, com toque de baunilha (carvalho), taninos domados e elegantes. Boa complexidade num vinho de corpo leve a médio.
Harmonização: Perfeito para ser degustado com carnes vermelhas com molhos simples e até mesmo frango.

Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso. Obteve 3 votos como Melhor da Noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM DIREITA – SBAV-MG
Onde Comprei: BLANC DE NOIR
Contato: (31) 2531-5252.
Quanto: R$ 85,33

quinta-feira, 10 de maio de 2012

CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX NA SABV-MG

PRIMEIRO ENCONTRO - OS VINHOS DA MARGEM ESQUERDA:



PARTE DO GRUPO DE PARTICIPANTES DO CURSO:


A região de Bordeaux é provavelmente a mais antiga região vitivinícola do mundo no que concerne aos vinhos de excelência pois já no século I depois de Cristo há referência do cultivo da casta Biturica, predecessora da casta Cabernet Sauvignon, em Garonne pelos Bituriges Vvisques – povo gaulês.

Os vinhos de Bordeaux estão entre os mais famosos e bem sucedidos vinhos da França e mesmo do Mundo – havendo cerca de 7.000 propriedades vitivinícolas onde são colhidas as uvas que criam o mito de qualidade de Bordeaux. Venha conhecer o por que desta fama que resultou num sistema próprio para hierarquizar os vinhos de Bordeaux.

Durante o Curso teremos a oportunidade de provar vinhos da safra de 2005 e 2009 (de excelências reconhecidas), numa degustação horizontal permitindo avaliar os diferentes estilos de vinhos em função dos diferentes terroirs da região. Teremos uma pequena degustação vertical, possibilitando apreciar as variações entre safras de um mesmo Chateaux. Tudo isto, dando uma ampla visão dos vinhos que são produzidos na Margem Direita e Margem Esquerda e um dia dedicado ao duelo entre as duas margens com degustação de grandes vinhos.

Os participantes terão oportunidade de provar vinhos que, ás cegas, foram melhor avaliados do que grandes vinhos ícones de Bordeaux, como o Pétrus. Oportunidade única ! Dai a lista de vinhos ser uma surpresa para os participantes do Curso Avançado de Vinhos de Bordeaux. Haverá prova de vinhos do Haut Médoc, Margaux, Pauillac, Graves, St Emillion, Pomerol.

Temática por Datas:
Dia 08/05 terça-feira – Os vinhos da Margem Esquerda.
Dia 15/05 terça-feira– Os vinhos da Margem Direita.
Dia  22/05 terça-feira– Duelo entre vinhos MD x ME.


CHATEAU BEYCHEVELLE 2006 – SAINT JULIEN

CHATEAU BEYCHEVELLE 2006 – SAINT JULIEN

Um Chateau de St.-Julien 4ème Grand Cru Classé que inclina-se para mais de um estilo de Margaux. A história do Château Beychevelle remonta ao século XVI. Naquela época, Jean-Louis de la Valette Nogaret, Duque de Epernon, era dono da propriedade. O emblema da Château Beychevelle pode ser encontrado na etiqueta do vinho: um navio com um Griffon (besta mítica, puxando a carruagem de Dionísio, deus do vinho). De fato, os navios que passavam em frente ao castelo, provavelmente baixavam suas velas como um sinal de fidelidade ao Duque. Beychevelle significa "baixar vela"

O Chateau tem cerca de 250 hectares, dos quais 90 são dedicados à vinha. Idade média das videiras: 25 anos. Densidade das vinhas: 10.000 pés por hectare. Rendimento: 48 hectolitros por hectare. Os vinhos do Château Beychevelle são acessíveis a partir de sua juventude. Apesar de sua boa referência na famosa Classificação de 1855 continua a ser um vinho de preço acessível para um Saint-Julien. O Chateau também produz um segundo vinho, “l'Amiral du Médoc de Beychevelle”.

Vinificação: Com a finalidade de elaborar vinhos de melhor qualidade, a maceração é feita até alcançar maior concentração de frutas, taninos e cor. O envelhecimento ocorre em barricas de carvalho francês durante 18 meses, sendo 53% novas.
Corte de Cabernet Sauvignon (59%), Merlot (29%) Cabernet Franc (7%) e Petit Verdot (5%).

Reconhecimentos: 90RP / 90WE

Notas de degustação: Possui uma cor rubi escuro. Aromas de frutas vermelhas (framboesa, groselha) e frutas negras como a cereja madura, complementados por notas terrosas, e florais. Toques de cedro, tabaco e terra molhada. Boca com ataque elegante, os taninos macios suportam a estrutura do vinho. Muito fresco em boca, saboroso e persistente. Seus taninos estão presentes, porém sem serem agressivos. Vinho marcado pela fineza e equilíbrio, possuindo um bom potencial de guarda. O potencial de envelhecimento é assegurado, mas os taninos permitem por sua maciez a acessibilidade ao vinho, mesmo depois de apenas 6 anos de guarda na garrafa. Este vinho pode ser bebido agora ou armazenados por 15-20 anos".

Harmonização: carnes vermelhas com molhos à base de vinho e ervas, lombo de cordeiro assado e queijos maduros.

Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e cinco votos como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: MISTRAL
Contato: (31) 3115-2100  e (11) 2574-8303.
Quanto: R$ 440,00.

LES PAGODES DE COS 2004 – SAINT ESTÈPHE

LES PAGODES DE COS 2004 – SAINT ESTÈPHE

No comando do lendário Château Cos d'Estournel desde 1998, Jean Guillaume Prats representa a quarta geração à frente da propriedade, considerado o melhor château de St Estèphe, em Bordeaux, na classificação de 1855. O estilo deste que é um dos mais conceituados châteaux de Bordeaux - apreciado desde o século passado pela rainha Vitória, Napoleão III e pelos Maharajas da Índia, que inspiraram sua arquitetura - é reputado por combinar potência com elegância, complexidade e muita classe. As grandes safras de Cos d'Estournel são conhecidas por durarem décadas, evoluindo maravilhosamente bem.

O château foi fundado em 1811 por Louis Gaspard d'Estounel e rapidamente se tornou um dos mais conceituados de Bordeaux. Louis se tornou conhecido como o "Maharaja de Saint Estèphe", levando seus vinhos para a Índia, construindo exóticos pagodes sobre sua adega, organizando festividades espetaculares em Cos e presenteando as personalidades de seu tempo com garrafas de Cos "que voltaram da índia". Na classificação imperial de 1855, o Château Cos d'Estournel foi classificado no topo de todos os Saint-Estèphes. O segundo vinho da propriedade, o famoso Les Pagodes de Cos, também é especialmente reputado. Os vinhedos são vizinhos do Chateau Lafite Rothschild.

Na velha linguagem da Gasconia, “Cós” a palavra significa "Morro do Cascalho”. O terroir de Cós está situado nas margens do Gironde, sendo um acúmulo impressionante de cascalho Quaternário arrancado das montanhas distantes do Maciço Central, dos Pirinéus e que criaram um leito calcário e cascalho em Saint-Estèphe, quando o rio primitivo recuou.

Moldada em encostas bem drenadas pela erosão, estas camadas profundas excepcionalmente de cascalho são uma verdadeira curiosidade geológica e também um dos Terroirs mais preciosos do mundo, pois obriga as vinhas velhas plantadas lançarem suas raízes no solo árido.

Entre Pauillac e Saint-Estèphe, separado do Château Lafite, o outeiro de Cos domina o Rio Gironde com uma altura de quase 65 metros. Limitado a oeste pelo oceano Atlântico e a leste pelo Gironde, a região do Cos d'Estournel é um micro-clima, que age como um regulador de temperatura (evitando assim temperaturas extremas, seja para o frio ou para o calor).

“Les Pagodes de Cós” é no sentido mais estrito do termo o "segundo vinho" criado a partir de vinhas mais jovens, às quais são dadas o mesmo tratamento cuidadoso do Top do Chateau. As videiras simplesmente são mais jovens e  suas raízes não penetram o solo pedregoso tão profundamente. Poderoso, muito aromático, muito presente na boca e com um final muito persistente, "Les Pagodes de Cos" deve ser bebido dentro dos dez anos depois de ser engarrafado. Corte de Cabernet Sauvignon (55%) e Merlot (45%).

Reconhecimentos: 86-88RP / 88WS

Notas de degustação: Cor rubi de boa intensidade. Aromas de amoras, notas florais e de café, muito perfumado. No paladar mostrou-se muito equilibrado e elegante, repetindo o perfil aromático. A “janela de degustação” indica beber no seu apogeu entre 2009-2016.

Harmonização: Queijo maduros, caças, carnes grelhadas, legumes grelhados, assados e ensopados.

Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e um voto como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: MISTRAL
Contato: (31) 3115-2100  e (11) 2574-8303.
Quanto: R$ 406,87

CHATEAU D´ARMAILHAC 2005 – PAUILLAC

CHATEAU D´ARMAILHAC 2005 – PAUILLAC

O Chateau d´Armailhac pertence ao Chateau Mouton Rothschild. Em função disto, a vinificação é realizada de forma muito cuidadosa e seguindo rigorosamente toda a tradição da empresa. Colhidas inteiramente a mão, as uvas são colocadas em caixas de 12 kg e selecionadas cacho a cacho e depois grão a grão. A fermentação é realizada em tanques de madeira com controle de temperatura, obedecendo a especificidade de cada safra, com respeito à temperatura de fermentação, remontagem, aeração e tempo de maceração. Em média, o período de fermentação somado ao de maceração dura de 15 a 25 dias.

Uma vez terminada a fermentação é realizada a mescla final e o vinho é transferido para barricas novas de carvalho francês, quase em sua totalidade (80 a 90%), onde permanece por um tempo de 19 a 22 meses, sendo engarrafado sem qualquer filtração.

O resultado deste trabalho é um vinho de rara opulência e concentração, diferente de tudo o que se produz em Pauillac, de grande apelo e muito prazeroso. Corte na safra de 2005 de 60% Cabernet Sauvignon, Merlot 29%, e o restante em Cabernet Franc (10%) e Petit Verdot (1%), provenientes de vinhedos com rendimento de 35 hectolitros por hectare.

Reconhecimentos: 90+ RP / 90WS

Notas de degustação: Cor rubi densa, púrpura. No nariz mostra toques de terrosos com notas de frutas escuras (groselha, amora) com fundo bem marcado pelo carvalho tostado, café e torrefação, algo defumado e de alcaçuz.  A boca repete o nariz. Boa concentração, com ótima acidez, taninos finos e com extraordinária persistência. Sinaliza para um brilhante futuro, pois mesmo muito jovem, já está acessível e delicioso, com um fim de boca elegante. A “janela de degustação” indica apogeu entre 2014-2030.

Harmonização: Carnes vermelhas, caça, cordeiro, pratos condimentados.

Obteve Nota Mediana de 90/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e cinco votos como um dos melhores vinhos da noite.
Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: MISTRAL
Contato: (31) 3115-2100  e (11) 2574-8303.
Quanto: R$ 368,33

CHATEAU D´EYRAN PESSAC LEOGNAN 2004

CHATEAU D´EYRAN PESSAC LEOGNAN 2004     

Assemblage de 50% Cabernet Sauvignon, 45% Merlot e 5% Petit Verdot. A colheita é feita manualmente e o vinho estagia por 12 meses em barricas de carvalho francês 50% novas e 50% de um ano de uso. O segredo deste ótimo vinho está na colheita de sua uva: A colheita é manual e feita, diretamente, de videiras com idade entre 15 a 35 anos. O D’Eyran carrega em seu DNA a nobreza de um “Terroir”, que é responsável pela produção do magnífico Chateau Haut-Brion

Notas de degustação: Um vinho complexo, fresco e delicado, com uma combinação perfeita entre finesse e caráter.  Cor rubi profundo, sem evolução aparente. Nariz com notas de frutas negras e vermelhas maduras, torrefação e discretas nuances herbáceas. O carvalho está muito bem integrado. Na boca confirmou o nariz com corpo médio a encorpado, taninos educados (presentes), boa acidez e persistência de média para longa. Notas marcadas de caramelo queimado e café na boca, sem mascarar a fruta. Bem equilibrado. Um vinho muito gostoso e que não demonstrou sinais de cansaço nas duas horas em que foi bebido e talvez por isto mesmo o mais votado na noite. Mesmo não tendo uma “superestrutura”, se mostra pronto para beber e creio ter potencial para evoluir apesar dos 8 anos de guarda. Fim de boca muito gostoso.

Harmonização: Carnes vermelhas, caça, cordeiro, pratos condimentados.

Obteve Nota Mediana de 90/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e nove votos como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: CASA DO PORTO
Contato: (31) 3286-7077.
Quanto: R$ 180,00

CHATEAU D´AGASSAC 2005 – HAUT-MÉDOC

CHATEAU D´AGASSAC 2005 – HAUT-MÉDOC
           
2005 foi bela safra em Ludon, onde o Chateau d'Agassac possui 42 hectares de videiras. Como em grande parte do Médoc, os vinhos produzidos na região mostram frescura, boa acidez e profundidade, com um apelo imediato no paladar. Os taninos ainda presentes garantem bom potencial para envelhecer. Esta propriedade tem evitado carregar seus vinhos de carvalho, buscando potência e maiores pontuações, mas que por outro lado apagariam a personalidade dos seus vinhos. Os vinhos tem aromas típicos de Bordeaux, tais como o cassis, amoroas. O corte em geral é feito com 50% Merlot, 47% Cabernet Sauvignon e 3% de Cabernet Franc.

A excelente drenagem e retenção de calor do cascalho do seu terroir permitem uma colheita precoce, o que traz uma vantagem real, dada a natureza caprichosa do clima em Bordeaux na época da vindima.

Chateau d'Agassac tem alguns dos vinhedos mais antigos no Médoc Haut. O castelo foi construído no século 13, e os seus porões são dois séculos mais velhos. O Chateau é uma empresa líder em métodos de bio-viticultura.

Reconhecimentos: 90 WS – Obteve pontuação média de 88/100 em 25 provas às cegas.

Notas de degustação: Cor rubi de boa intensidade. Nariz de boa intensidade, com nota nítica de café e torrefação, depois abrindo para toques de frutas escuras maduras (ameixa, cereja), especiarias doce de baunilha e canela. Corpo médio, taninos presentes, sem ser agressivos, boa acidez, com boa complexidade. Fim de boca persistente e gostoso.

Harmonização: Carnes vermelhas, caça, cordeiro, pratos condimentados.

Obteve Nota Mediana de 90/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e quatro votos como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: MISTRAL
Contato: (31) 3115-2100  e (11) 2574-8303.
Quanto: R$ 162,23

CHATEAU TOUR DU ROC-MILON 2006 – PAUILLAC

Produtor: Jean Baptiste Audy.
Corte das Uvas: 60% Cabernet Sauvignon, 20% Merlot, 15% Cabernet Franc, 5% Petit Verdot e Malbec. Os vinhedos ficam localizados em um terroir privilegiado, entre o Chateau Mouton Rothschild e o Chateau Pontet Canet. As videiras tem idade média de 50 anos.
Envelhecimento: Envelhecido em barris de carvalho durante 18 meses.

Notas de degustação: Um vinho de cor rubi límpido, que não chegou a abrir. Desta forma, os aromas ficaram difíceis de serem percebidos (o que ocorreu durante toda a prova de vinhos). Corpo médio, taninos presentes, sem ser agressivos, acidez média. Fim de boca persistente e gostoso, mas pecou pelo nariz. Na internet consta ser um Bordeaux muito agradável de ser degustado, um vinho de personalidade, com bom retrogosto, fruta muito bem integrada com a madeira e notas picantes.

Harmonização: Carnes vermelhas, caça, cordeiro, pratos condimentados..

Obteve Nota Mediana de 85/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: FINE FOOD
Contato: (31) 2526-3699.
Quanto: R$ 149,00

INITIAL DE DESMIRAIL MARGAUX 2007

INITIAL DE DESMIRAIL MARGAUX 2007      

O Desmirail é um Cru Classé que cresce em qualidade a cada ano, sob os cuidados de Denis Lurton. Típico Margaux, com aroma intenso e taninos super-elegantes, Fontarney é seu segundo vinho.

A origem do Château Desmirail remonta ao fim do século 18, quando Jean Desmirail recebe em dote de sua esposa parte do famoso Domaine de Rausan. Perto da classificação de 1855 o domaine foi cedido ao regente do Château Margot, que o elevou a 3eme Grand Cru. Em 1903 foi adquirido pelo sobrinho do famoso compositor Mendelssohn, Robert, neto do famoso negociante bordalês Pierre Biarnez.

Lucien Lurton, trabalhou pacientemente durante 20 anos para reconstituir a vinícola. Desde 1992 pertence a Denis Lurton, que prossegue a obra de seu pai, Lucien, na produção deste Grand Cru Classé.

Vinhedos: Os vinhedos do Château Desmirail têm em média 25 anos de idade, cobrindo uma área de 30 hectares, desde a classificação de 1855. Os solos são de seixos profundos, de antigo aluvião do rio Garonne, se desenvolvendo em três municípios da AOC Margaux: Cantenac, Arsac e Soussans. Posicionados em três diferentes altitudes de terraços, formam uma diversidade de terroirs que responde pela complexidade do vinho de Desmirail. A Cabernet Sauvignon é tradicionalmente dominante (60%), seguida pela Merlot com 39% e a Cabernet Franc com 1%.

Vinificação: As uvas são colhidas à mão e logo cuidadosamente selecionadas em mesas. A vinificação é feita em separado para as diferentes variedades e parcelas, em tonéis de madeira para as parcelas mais velhas e em aço moderno para as demais. A filosofia de trabalho é fazer extrações delicadas. Denis Lurton, juntamente com o chefe de cantina e o reputado enólogo Jacques Boissenot selecionam as cubas que formarão o Desmirail e o Initial de Desmirail. A maturação em barricas (1/3 novas, conforme a tradição do Médoc) dura de 12 a 18 meses, conforme as características da safra.

Reconhecimentos: 90WE.

Notas de degustação: Um vinho de cor rubi límpido, apresentando leve sinal de evolução. Nariz de média intensidade, voltado para a elegância, com notas de frutas escuras maduras como a amora e ameixa, toques de torrefação e especiarias como pimenta verde e floral de violeta. Bom ataque num vinho que havia sido servido 40 minutos antes para mostrar as nuances de sua qualidade e elegância. Corpo médio, taninos presentes, sem ser agressivos, boa acidez, com boa complexidade. Fim de boca persistente e gostoso, típico de Cabernet Sauvignon macio, como seria de esperar de um bom Margaux.

Harmonização: Carnes vermelhas, caça, cordeiro, pratos condimentados.

Obteve Nota Mediana de 88/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso e cinco votos como um dos melhores vinhos da noite.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: GRAND CRU
Contato: (31) 3286-2796 ou 2555-7055.
Quanto: R$ 149,00

L DE LAFFITTE LAUJAC 2006 - MÉDOC


L DE LAFFITTE LAUJAC 2006 - MÉDOC

Nariz muito atraente, boa acidez, fácil de beber, com vivacidade e elegância. Diz bem o que é um Bordeaux para agradar rápido e pode ser usado acompanhando pratos leves, ou só para bebericar.

Corte de 50% de Cabernet Sauvignon e 50% Merlot, produzido no coração da região de Médoc, resultando num vinho de cor vermelha rubi, nariz muito frutado (notas de ameixa e cereja maduras), com notas de baunilha (oriunda da barrica de carvalho), taninos domados e elegantes.

Obteve Nota Mediana de 85/100 pontos na avaliação dos participantes do Curso.

Onde Degustei: CURSO AVANÇADO DE VINHOS DE BORDEAUX – MARGEM ESQUERDA – SBAV-MG
Onde Comprei: GRAND CRU
Contato: (31) 3286-2796 ou 2555-7055.
Quanto: R$ 60,50

domingo, 6 de maio de 2012